Tamanho do texto

Esta semana conto para vocês sobre o show Desempena, que vi aqui em São Paulo, e a música do seu criador, o pernambucano Almério. Aproveitando a presença do cantor na cidade, também fizemos uma entrevista com ele

Um gigante de 1,70 m voou sobre o palco do SESC Santana. Sua música e poesia encheram os corações de alegria e emoção. Ninguém saiu da mesma forma que chegou ao show Desempena, estreia do cantor e compositor pernambucano Almério  em São Paulo, lançando o álbum do mesmo nome pelo projeto Natura Musical.  Suas canções carregadas de energia e contagiaram a plateia que foi até lá neste frio final de semana de julho.

Leia também: Primeiro escândalo gay entre celebrities saiu de encontro entre prosa e poesia

Almério e sua música no show Desempena
Vicente Negrão
Almério e sua música no show Desempena


O vigor da música e a poesia de suas letras também foram traduzidos na intensa e vigorosa movimentação do cantor pelo palco. O figurino, uma espécie de capa descontruída que ganha ares de asas, é bastante utilizado como elemento cênico e em muitos momentos tem-se a impressão que o cantor vai sair do chão com elas. 

Almério e suas 'asas' no palco
Vicente Negrão
Almério e suas 'asas' no palco

Desde a percussionista, Paula Silva, parceira “de uma vida” segundo Almério, ao baterista Marconiel Rocha, um coração pulsante e que imprime um tom grandioso a sonoridade do espetáculo, junto ao baixo de Eduardo Slap,  a banda que acompanha o músico neste show também impressiona. Philipe Moreira Sales, nos sopros, tem momentos de virtuose. Ouso dizer que ele estabelece uma ponte sonora que vai da Banda de Pífaros de Caruaru à Secos e Molhados e sua psicodelia. Todos capitaneados pela direção musical de Juliano Holanda, também responsável pelos violões e artística de André Brasileiro.

Eu já tenho minha música favorita: Segredo, de Isabela Moraes (*olho nesta grande letrista!!), cujo clipe é lindíssimo! Além das músicas do álbum Desempena o cantor mostrou uma versão bluesistica de “Respeita Januário”, do mestre Gonzagão.

Como citou a amiga jornalista que também estava lá, Klaudia Alvarez, num momento de enorme dificuldade para todo o país estamos assistindo o surgimento e a consolidação de artistas, principalmente na música, com enorme qualidade e expressão, coragem e ousadia, elementos mais que necessários para a retomada na nossa autoestima como Nação.


Veja abaixo minha conversa com o cantor:

ARCO – Quem é Almério?

Almério - Sou uma parabólica de sons e sinais. Um ser que guarda um brejinho no peito, e açudes de inquietações. Gosto de me vestir de humanidades e ser um tiquinho do outro, tenho uma missão de cantar e comunicar, investigar e cuidar das coisas a minha volta.

ARCO - Como você descreveria seu trabalho para quem nunca te viu ou ouviu?

Almério - Difícil, prefiro que as pessoas ouçam e sintam. Mas posso resumir dizendo que faço um trabalho honesto que traz muita influência da boa música brasileira

ARCO - Para que serve a arte?

Almério - Para provocar, cuidar, transformar, desconstruir, construir, elevar, salvar, remediar, e pode ser também coisa nenhuma, que coisa nenhuma já é muita coisa.

ARCO - A produção musical e imagética associada à cultura LGBT ganha espaço e público maiores através de grandes artistas como Johny Hooker, Filipe Catto, Tiago Pethit, As Bahias e a Cozinha Mineira, Liniker e Lineker.... Você se sente conectado a esta geração? Como seu trabalho dialoga com o deles?

Almério - Há conexão sim, mas não só pela cultura LGBT , mas por se tratar de artistas de posturas muito fortes, destemidos, que peitam opiniões e preconceitos sendo naturalmente trabalhadores de arte. Sendo naturalmente o que são.

Leia também: A fotografia homoerótica e a estética LGBT

ARCO - Como está se sentindo por ser convidado a se apresentar no Rock in Rio com dois deles, Johnny e Liniker?

Almério - Estou muito excitado para que comecem logo os ensaios, pra sentirmos a energia desse encontro. A ideia desse projeto-show é de Zé Ricardo que é um doce de gente é um produtor muito inteligente e sensível, além de ser um excelente músico. Liniker e eu somos convidados de Johnny Hooker, que está conduzindo tudo da forma mais linda e delicada. Sou um admirador dos dois, tenho certeza de que será uma noite mágica!!! 

Adoraria ouvir sua opinião sobre o artista e a coluna. Entre em contato pelo vicente@vicentenegrao.com. E para saber mais sobre música, arte e cultura LGBT, clique aqui e acompanhe a coluna ARCO no iGay

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.