Antes de sair por aí borrando o rímel, que tal aprender um pouco mais sobre a arte do make? Paulette Pink conta a história de maquiadoras mara para você. Veja todos os detalhes na coluna de estreia aqui no iGay

Transformar-se em uma das exímias maquiadoras conhecidas o mundo não é tarefa tão fácil – e nem imagine que tal tática se restrinja a apenas assistir tutoriais da Internet. Não basta comprar um jogo mara de pincéis, alguns tons de bases, rímel e sombras para se aventurar a fazer o “smoke eyes” da temporada.

Leia também: Maquiagem é coisa de menina? 10 garotos para você seguir e mudar de ideia

Não é de hoje que as pessoas atacam de maquiadoras tentam dar aquele tapa no visual, que faz um bem danado para a autoestima. Mudar o olhar, carregar no bocão e deixar o cabelo como o das tops é o sonho de qualquer mortal, ainda mais em um mundo cheio de possibilidades – e aí inclua as ferramentas que evoluíram do Photoshop, caso do “coverture”, que está a um dedinho de fazer seu close viralizar!

Porém, até mesmo esses recursos do mundinho virtual precisam de uma tela bem pintada. Nesse contexto, a maquiagem é obrigatória. Quem procura um profissional tem desejos de transformação imediata. Por isso, é importante ouvir e informar passo a passo daquilo que será feito (e nada de tirar os pés do chão, pois há um enorme risco de frustrar a cliente). E já que o tópico é “transformar”, que tal incluir na pauta as transexuais maquiadoras ? Essas poderosas que fazem a cabeça da mulherada famosa e são disputadíssimas no jet setter gliterizado.

Mas como elas chegaram até aqui? Pela maquiagem, oras! Sim, sim, sim, elas aprenderam a vivenciar os seus corpos através do make. E é isso que buscam: cada dia uma nova forma de harmonizar consigo mesma! Cito aqui cinco transexuais que se encontraram no universo das sombras e dos blushes e começaram a usar esse talento para ajudar outras pessoas a se sentirem melhor. Voilà! 

Leia também: 10 drags queens para você se inspirar na hora de fazer sua maquiagem

Sal Moretti está na lista de maquiadoras trans que você precisa conhecer
Divulgação
Sal Moretti está na lista de maquiadoras trans que você precisa conhecer

Sal Moretti é de Suzano (SP), e começou a carreira na Rede Record como maquiador. Com a conquista da independência na profissão, ela, literalmente, se transformou. Quem deu um empurrãozinho que faltava na carreira foi Preta Gil, sua amiga de longa data, que até patrocinou algumas de suas cirurgias estéticas.  Depois foi a vez de ganhar o mundo por meio de sua competência e de seu carisma.

No portfólio da diva figuram nomes como Anitta, Fernanda Paes Leme, Adriane Galisteu, entre outras celebs. Mas lhe faltava algo. Então ela virou evangélica frequentadora da Igreja Pentecostal Anabatista, e está totalmente centrada em Deus. Segunda ela diz, seu corpo é um templo divino e não um parque da Disney.

Hoje, Sal encontra-se totalmente em paz com o trabalho de maquiadora e a fé. O seu sonho? “Quero me tornar a primeira Papisa Trans do mundo, e levar a palavra de Deus a todos”, diz.

Carol Almeida
Arquivo pessoal
Carol Almeida

Carol Almeida Prada  tem 35 anos, é paulistana e começou maquiando as amigas por curiosidade ainda na adolescência. Aprendeu tudo na marra. Mora com a família, de quem sempre recebeu apoio e carinho.

Aos 20 anos, ela colocou para fora a mocinha que habitava em seu corpo. Batizou-a de Carol. “A Carol sempre esteve dentro de mim, desde criança, e era ela quem me impulsionava a mostrar a minha arte.”

Suas grandes inspirações são Max Weber e Ale de Souza. Nessa pegada, Carol sempre teve uma postura superdespojada e profissional e abraçou o estrelato por conta da sua capacidade.

A simpatia que ajuda a cativar tantos admiradores, também rende algumas saias justas, especialmente cantadas e investidas mais eufóricas de rapazes (sem noção). Mas a moça leva tudo na esportiva e avisa que está noiva! O que não pode faltar na sua maleta hype? “Produtos da Chanel, da M.A.C, da L’Oréal e da Tom Ford”, decreta. 

Dolly Magalhães
Arquivo pessoal
Dolly Magalhães

Dolly Magalhães  nasceu no bairro de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, filha de pai militar. Claro que não foi simples contar para a família que suas causas eram outras, mas ela fez isso aos poucos e todos entenderam. Por pouco não cursou medicina – profissão da maioria dos irmãos –, mas deixou o bisturi de lado para empunhar pinceis, de make, of course!

Foi vitrinista plugadíssima nas tendências do mercado e jura de pés juntos que foram as divas do cinema que a inspiraram a passar o primeiro gloss na boca. E aí sobraram palcos, aplausos e muitos cursos para se firmar como um dos nomes mais bambas do circuito.

Na capital gaúcha, ela tem o próprio salão – Estética Dolly Magalhães – e uma legião de profissionais trans que atuam sob a sua batuta. 

Marie la Phoenix
Arquivo pessoal
Marie la Phoenix

Maria Fernanda Panizza tem 38 anos e é natural de Tupã. Sempre se inspirou na mãe e hoje, após sua cirurgia, se orgulha em ser sua imagem e  semelhança. 

Os pincéis sempre foram sua arma para se realizar e realizar o desejo das pessoas. A arte de  embelezar é um dom, diz ela.

Começou aos 17 anos depois de ter cursado o Senac, em curso profissionalizante. Aos 21 anos, mudou para São Paulo e caiu nos  palcos da vida, que lhe abriu portas. Ela iniciou seus trabalhos  em eventos e atendendo particularmente artistas e celebridades.

Em 2001 resolveu se arriscar no exterior, na capital da moda, em Milão, onde viveu por 10 anos e se formou  na tão famosa Making Beauty Academy e trabalhou para o programa Itália Next Top Model.

Ela vive desde então neste circuito “Brasil-Itália”, trabalhando em  eventos  como São Paulo Fashion Week e  Salão do Automovel na equipe de “By Sabbatini”. Hoje também conquistou Inglaterra e Paris e se  orgulha de poder exercitar seu afiadissimo inglês fazendo o que mais ama.

Greta Star
Arquivo pessoal
Greta Star

Greta Star é figurinha das mais queridas do metié. Aos 61 anos, essa santista de sorriso largo e voz doce já viajou por toda a Ásia com espetáculos que a permitiam se transformar em suas musas Ann-Margret e Greta Garbo.

Cansada de viajar pelo mundo, ela sentiu a necessidade de se fincar raízes no Brasil. Foi então que os amigos Roberto Valier, Claudinei Hidalgo e Paula Sabbatini a ajudaram a se estabelecer no circuito artístico.  “Sempre fui apaixonada pelas belezas das grandes atrizes italianas. Minha mãe e minhas tias, que eram incrivelmente lindas nos anos 1950 e 1960 e também me serviram de inspiração.”

Hoje em dia, além de ter cadeira cativa nos melhores eventos da cidade de São Paulo, ela possui extensa lista de clientes árabes! “Realizo-me maquiando mulheres árabes, pois elas adoram cores que vão dos azuis-profundos aos rosas-acetinados”, afirma.

Graças a sua experiência com os pincéis – ela consegue maquiar 30 pessoas em apenas uma hora – Greta está cotadíssima para entrar no Guinness Book 2018! Suas marcas favoritas? “Kryolan, M.A.C, Dermacol e Avon. Sou bem eclética!”, finaliza.

Kelly Cunha
Arquivo pessoal
Kelly Cunha

Kelly Cunha , 70 anos, é conhecida como a “Diva dos Pincéis”. Nascida em São Paulo, ela faz questão de trazer à tona o nome de batismo: “Valter Feitosa”.

Suas grandes inspirações continuam sendo Rita Hayworth, Carmem Miranda e Grace Kelly, que emprestou o nome para o seu lado femme.

Aos dez anos de idade ela já sabia fazer o penteado "ninho", típico dos anos 1960, e treinava nas madeixas das irmãs. Aos 13 anos, ela foi estudar desenho industrial no Instituto Nobel, na Lapa, e aos sábados fazia cursos de especialização em make e hair no Ana, endereço famoso na época. Após vencer um concurso de transformistas em Santos, o “Miss Boneca”, Kelly foi contratada para trabalhar num dos melhore salões da alta sociedade paulistana. Começou então a fazer a cabeça dos artistas em filmes, propagandas e seriados, caso do "TV Pirata".

Trabalhou como atriz no grupo "Les Girls" e se emocionou na morte de Leila Diniz, pois naquele dia fatídico, ela usava um vestido doado pela diva carioca. Kelly tem grande orgulho de ter em suas mãos o poder de transformar as pessoas integralmente e se orgulha ao contar um episódio sobre uma Miss que chegou do Peru desacreditada e, após seus cuidados, a candidata ganhou o concurso internacional!

Atualmente, ela maquia e penteia filhas, netas e bisnetas de suas clientes do high-society. Segredinho bem guardado? “Sempre que vou preparar alguém, pergunto antes o que ela vai vestir e já faço as combinações mentais. E acerto! Outra dica é apostar em produtos da Dior, Estee Lauder, Lancôme e Chanel.” 

Bônus

Gigi Gorgeus
Arquivo pessoal
Gigi Gorgeus

Gigi Gorgeous é uma transexual canadense, que virou modelo e youtuber famosa. Conhecida por ser trangênero e manter a imagem pública na crista da onda, ela não perde um holofote. Fez toda a sua transformação diante das câmeras – vale lembrar que tem muita trans que esconde a sua identidade que nem super-herói!!!

Seu canal no YouTube (youtube.com/user/GregoryGORGEOUS) tem dicas de maquiagem e uma penca de tutoriais patrocinados por marcas descoladas. A moça conta com mais de um milhão de seguidores e soma 300 milhões de visualizações em seus vídeos. Uauuuu!!!

Toda essa exposição dela e das maquiadoras famosas tem ajudado a derrubar tabus e a instigar o debate sobre as questões da identidade transgênera. É um bofetão na cara desse tal de bullying ! Para saber mais sobre cultura, make, beleza e universo drag, clique aqui e acompanhe a coluna de Paulette Pink no iGay

    Leia tudo sobre: maquiagem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.