Fê Maidel comanda coluna no iGay e fala sobre transição de gêneros e busca pelo que é neste mundo. Nesta semana, ele convida você a também se perguntar de está passando por alguma transição. A resposta deve ser sim

A passagem da Parada do Orgulho LGBT trouxe à tona uma reflexão que gostaria de compartilhar. Convido-lhe a perguntar-se “Como sou? Como me vejo? Estou passando por alguma transição? “. Sim, coloque-se frente ao espelho, ou ligue a câmera do computador e faça-se esta pergunta. Dificilmente chegará a uma resposta que consiga se mostrar completa e autêntica em pouco tempo. É preciso elaborar, testar, rever. A visão que cada um tem de si é construída desde o início da vida e é a partir deste conceito que estabelecemos vínculos, afetos, socialização.

Leia também: Transição, “não-conformidade” e a sombra do preconceito

Mostra Diversa 2017 é um convite a refletir sobre transição, liberdade de expressão e outros temas
Divulgação
Mostra Diversa 2017 é um convite a refletir sobre transição, liberdade de expressão e outros temas


A expressão desse “eu” torna possível a visibilidade, o pertencimento e a autonomia, sendo esta uma das mais importantes construções que realizamos em nosso desenvolvimento. Sua elaboração é fundamental para que cada um possa se entender como indivíduo. E este é um dos focos da transição : entender como você é, como se vê, ser o que você entende ser. Isso separado do que acreditam ou querem que você seja.

Atendendo algumas pessoas que traziam questões ligadas à gênero, sexualidade e transição, e durante o ano passado, me ocorreu que este é um tema caro à muitas pessoas. Pensando nelas, foi proposto ao MDS – Museu da Diversidade Sexual - a criação de um espaço para livre expressão, buscando empoderamento e cuidado, visibilidade e possibilidade de existir no mundo, a partir de seu próprio referencial. O objetivo: propiciar a expressão individual, possibilitando trazer à tona a visão e o entendimento que cada pessoa participante têm de si.

Leia também: Parada do Orgulho LGBT e o sentido das palavras orgulho e diversidade

Usando desenho, pintura, registro de imagem de maquiagem, dança e performances em foto e em vídeo, e tendo como suporte a associação da Psicologia e da Arte, o que se mostrou um meio eficaz de viabilizar a expressão da visão de mundo da pessoa, o registro audiovisual das atividades desenvolvidas está sendo exibido durante a Diversa 2017, no Museu da Diversidade Sexual, junto com o trabalho de vári@s outr@s artistas.

O que conseguimos como resultado foi uma amostra de como o ser humano lida com sua história, suas memórias e seu desejo de forma terna, acessível, derrubando os muros que nos separam. Olhares, expressões e sentimentos podem ser testemunhados nessa apresentação.

Acreditando que todas as pessoas estejam atravessando algum tipo de transição em suas vidas, aceitar os convites para olhar para si e para o outro podem tornar as transições pelas quais estejam passando palco de novas ideias e possibilidades, reestruturando conceitos que podem ter-se cristalizado e perdido força com o passar do tempo. Fica aqui o convite para conhecer este trabalho e para levar este tema para si. Para saber mais sobre o tema, clique aqui e acompanhe a coluna O T da Questão no iGay

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.