Tamanho do texto

Fausto Fardado comanda a coluna Masmorra do Fausto, no iGay e irá falar um pouco sobre a cultura Rubber. Conheça todos os detalhes dessa prática

Quando falamos de fetichismo, seja ele gay ou hétero, uma das estéticas que mais temos em mente é a estética Rubber, ou seja, a estética dos fetichistas que usam roupas de látex. 

Leia também: Fetiche por quepe, jaqueta e luvas de couro - como surgiu a cultura Leather?

A estética Rubber deixou um importante legado para moda, filmes e seriados
acervo pessoal Luis Bondage
A estética Rubber deixou um importante legado para moda, filmes e seriados

 A palavra Rubber  significa, literalmente, borracha. Essa cultura se desenvolveu na Europa e nos EUA nas décadas de 70 e 80 e estava relacionada às pessoas que tinham atração por capas de chuva, calças e acessórios de Látex e PVC (que no caso não era borracha).

Geralmente as roupas utilizadas na cultura Rubber por "rubberistas", incluem o “catsuit” (macacão colado ao corpo), luvas e máscaras. A forma como essas vestimentas se configuram, explica por sí só o fetiche dos amantes do estilo.

Leia também: BDSM, Leather e fetiche - isso é estilo de vida ou estética? Quais as diferenças?

 Estética, práticas e legado Rubber

Trata-se de uma estética asséptica. O “catsuit” (de preferência brilhante com óleo) funciona como uma segunda pele colada ao corpo. Geralmente é preto – mas existem de todos os tipos e cores, inclusive simulando vestes de outras estéticas fetichistas. Seu toque é liso e rígido, como uma pele sobre-humana. A máscara, junto com as luvas, esconde e desumaniza. Despersonaliza.

O corpo inteiro coberto pela nova pele esconde o corpo original, que deve ser descoberto apenas parcialmente durante as relações sexuais. O corpo humano bem delineado que está sob as vestes é o que menos importa para o funcionamento da relação.

A libido está direcionada ao estranhamento, ao oculto, ao indivíduo anônimo e à certa dificuldade de movimentação proposta pela roupa. Os corpos se assemelham a autômatos que interagem. Quando se coloca o “equipamento rubber”, assume-se uma nova identidade.

A estética extremamente sensual proposta pelo grupo influencia constantemente o mundo da moda e deixou um legado importante frequentemente visto em desfiles, filmes e seriados.

Práticas eróticas

Quanto as práticas eróticas propostas pelo grupo, elas podem ser de diversos tipos. Imobilização com cordas e algemas é uma delas. Cama de vácuo para imobilização é uma proposta surpreendente da cultura rubber. O indivíduo é colocado em uma cama, com uma manta de látex colocada sobre o seu corpo. O ar existente entre o corpo e a manta é suprimido, logo a manta delineia o corpo do imobilizado colando-o na cama e criando uma forma icônica. Obviamente este tipo de prática deve ser realizada por um especialista, com equipamentos de segurança que garantam a integridade física e de respiração do usuário.

De maneira geral, a estética fetichista Rubber é bastante plástica, surreal e escultórica. A aparição de amantes do estilo em espaços e festas fetichistas costuma ser artística, performática por si só e gera bastante impacto e admiração por parte do público que assiste a essa aparição espetacular.

Para saber mais sobre fetiche, BDSM, Rubber, Dominação e Submissão, Leather e temas relacionados a esse universo, clique aqui e acompanhe a coluna Masmorra do Fausto no iGay  .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.