Tamanho do texto

Fausto Fardado comanda a coluna Masmorra do Fausto, aqui no iGay, e hoje traz o trajeto das relações fetichistas no Iluminismo

Nas últimas semanas, falamos em nossa coluna à respeito das relações fetichistas ao longo da história e sobre as mudanças de contexto ocorridas nessas relações em diferentes épocas. Dando continuidade ao assunto, a coluna desta semana irá falar sobre Dominação e Submissão e a formatação do Sadomasoquismo.

Leia também: Fetiches, Dominação e Submissão: um trajeto ao longo da História

A idéia fetichista de dominação e submissão no Iluminismo perdeu seu contexto social e foi condenada.
Reprodução
A idéia fetichista de dominação e submissão no Iluminismo perdeu seu contexto social e foi condenada.


Leia também: Relações de prazer, fetichismo e erotização na Idade Média

Preconceito no Iluminismo pelo Sadomasoquismo

Iluminismo foi o período que sucedeu a Idade Média e o Renascimento e que se caracterizou pela emancipação do indivíduo enquanto cidadão livre e detentor de direitos. Este período, que deu origem aos valores ocidentais atuais, foi marcado pelo advento do mercado como forte orientador da vida econômica, do avanço da ciência e do conhecimento, da luta por direitos civis e da educação para as massas. O termo Sadomasoquismo surgiu nesta época como algo pejorativo.

Sopraram na Europa os ventos da liberdade pós revolução francesa e formas individuais de comportamento emergiram e foram em maior ou menor grau absorvidas pela sociedade. Olhando por essa perspectiva histórica, relações fetichistas teriam aí o seu espaço de florescimento, correto?

A resposta é: Não!

O Iluminismo, ao contrário das épocas anteriores que fundamentavam sua visão de mundo via religião, construiu sua ótica de sociedade e de humanidade através da explicação científica.

Só que a ciência do período era incapaz de fornecer explicações lógicas e matemáticas – como ainda é hoje - para determinados comportamentos. Sendo assim, homossexualidade masculina e feminina, prazer relacionado a acessórios e objetos e relações de dor e prazer foram vistos como “perversão”.

Práticas Sadomasoquistas eram escondidas e quando descobertas eram condenadas pela justiça
Reprodução
Práticas Sadomasoquistas eram escondidas e quando descobertas eram condenadas pela justiça

Relações eróticas de dominação e submissão foram entendidas como algo retrógrado e desumano, como relação escravagista, contrária à nova sociedade e sua liberdade emancipatória iluminista. À partir daí surge o preconceito contra diferentes orientações e gêneros sexuais, práticas e comunidades fetichistas, sendo que estes comportamentos foram entendidos como doença pela comunidade científica e proibidos e condenados por lei em diversos países.

Apesar de todas essas questões, ao contrário do que se pode imaginar, as comunidades fetichistas continuaram existindo e se desenvolvendo. O final do século XX trouxe nova luz ao assunto com o aparecimento cada vez maior destas comunidades nas redes sociais e mídia, mas ainda estamos no caminho do pleno reconhecimento do fetichismo, dominação e submissão e sadomasoquismo como parte da erotização e da integridade existencial humana.

Para saber mais sobre fetichismo, BDSM, Dominação e Submissão, Leather e temas relacionados a esse universo, clique aqui e acompanhe a coluna Masmorra do Fausto no iGay .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.