Tamanho do texto

Fausto Fardado comanda a coluna Masmorra do Fausto, no iGay, e irá falar um pouco sobre a evolução do fetichismo e a erotização na história

 A coluna da semana passada apresentou as origens do fetichismo, relações de prazer e erotização e dos comportamentos de dominação e submissão ao longo da Antiguidade Clássica. Dando prosseguimento ao assunto, será apresentada a evolução destes comportamento ao longo da Idade Média.

Leia também: Fetiches, Dominação e Submissão: um trajeto ao longo da História

Máscaras e coleiras eram utilizadas como forma de humilhação e influenciaram o fetichismo
Reprodução:
Máscaras e coleiras eram utilizadas como forma de humilhação e influenciaram o fetichismo




Contexto do fetiche na Idade Média

Para contextualizarmos melhor o fetichismo , é importante lembrarmos que a Idade Média foi um período pós Antiguidade Clássica, ou seja, surgiu logo após a queda do império romano e foi marcada pelo advento cristianismo – que substituiu as religiões greco-romanas e as religiões pagãs - e pela instituição do feudalismo na Europa.

Neste período, apesar do domínio extremo imposto pela igreja à sociedade, relações fetichistas e de dominação e submissão encontraram seu contexto.

Auto flagelo como forma de atingir o êxtase na Idade Média
Reprodução
Auto flagelo como forma de atingir o êxtase na Idade Média

Não eram raros os casos de pessoas que em suas cidadelas medievais pediam para a igreja para serem flageladas em procissões. Elas diziam sublimar o sexo ao sentir êxtase divino acompanhados de prazer, júbilo e gozo por servir a causa da igreja. Ao serem flageladas publicamente, elas diziam reproduzir a paixão e sofrimento de Cristo, e através desta “punição” acreditavam purgar os males da sociedade. Este era considerado um ato santo.

Outra situação bastante peculiar no período eram os casos de pessoas que pediam para serem punidas fisicamente no lugar de ladrões, bandoleiros ou outros infratores. Justificavam que seu ato era um ato divino de redenção para com o outro. Quando o indulto era aceito, obviamente para estes casos específicos, os flagelos não eram letais, em alguns vilarejos podiam envolver jogos eróticos entre o algoz e o subjugado, e aquele que se submetia a tal era extremamente respeitado e humanamente admirado pelo seu vilarejo.

Leia também: Fetichismo, BDSM e saúde psíquica: como é essa relação?

O ato era visto como sinal de extrema bondade, sacrifício humano. Os locais para realização de tais flagelos eram masmorras ou praças públicas e os instrumentos utilizados para tais fins eram geralmente máscaras de ferro com funções simbólicas diversificas, algemas, correntes, cintos de castidade, berços (sim, a pessoa era infantilizada, enfaixada e colocada dentro de um berço), longas tranças de palha usadas para moças que não eram mais virgens, jaulas ou sarcófagos onde a pessoa poderia passar longos períodos imobilizada.

Situações consensuais de dominação e submissão aconteciam também frequentemente dentro de monastérios e representavam a hierarquização dos mais velhos sobre os mais novos.

Paralelo a todo esse cenário, relações que envolviam dor e prazer também existiam no âmbito doméstico entre casais. Mas essas relações, ao contrário do fetichismo praticado em nome do poder vigente, era visto como paixão perversa, bruxaria vinda dos rituais pagãos da Antiguidade - mais precisamente dos ceutas, algo demoníaco, passível de pena de morte na fogueira da Inquisição.

Para saber mais sobre fetichismo , BDSM, Dominação e Submissão , Leather e temas relacionados a esse universo, clique aqui e acompanhe a coluna Masmorra do Fausto no iGay .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.