Tamanho do texto

Embate do youtuber com o prefeito do Rio de Janeiro reforça a discussão de que não é preciso ser LGBT para lutar pelos nossos direitos

Felipe Neto já deu close errado? Alguns. Mas convenhamos que de uns anos para cá, ele tem se tornado um dos mais importantes aliados para comunidade LGBTQI+ no Brasil, quem dirá até no mundo.

O fato é que o YouTuber protagonizou - como todos sabem - o maior embate contra os conservadores do ano, ao confrontar o prefeito do Rio de Janeiro, que havia censurado uma HQ com uma imagem de um beijo gay na Bienal do Rio .

Não adianta repetir a história para vocês aí no Brasil. Até porque a bomba estourou mundo afora. Veio parar até aqui na Ásia, onde muitos colegas estrangeiros vieram me questionar "por que, no Brasil, as pessoas tratam um beijo gay como 'pornografia'?" É, Brasil... País campeão em passar vergonha internacional, principalmente depois da ascensão do senhor Jair e sua trupe de minions.

felipe neto arrow-options
Youtube/Reprodução
Com mais de 34 milhões de seguidores, Felipe Neto se tornou um dos fortes aliados na discussão pelos direitos LGBTs no Brasil.


Depois da atitude louvável de Neto, conferi uma enxurrada de companheiros LGBTQI+ criticando, dizendo que o cara só queria aparecer, ganhar mais seguidores. Estranho que ninguém parou para analisar que o youtuber carioca, mesmo sem ser gay, foi o cabeça do movimento pró-LGBT mais importante do ano na mídia. Enquanto boa parte desses pink influencers só aparece em época de Pride ou para ressuscitar tweets antigos dele e mostrar que um dia ele já teve atitudes homofóbicas.

Se teve, que bom que ele se arrependeu e hoje está do nosso lado, galera! Isso que a gente tem que aplaudir e não virar as caras para cidadão que tem uma fã-base de mais de 34 milhões de pessoas e pode dar voz à nossa luta. Felipe Neto é a prova que existem héteros dispostos a entrar nessa luta pela diversidade, pela igualdade, pelo amor.

Leia também: Autor LGBT diz que Felipe Neto foi "uma arma poderosa" na Bienal do Rio

Neto e tantas outras personalidades - Bruno Gagliasso, Paola Carossela, Cauã Reymond, Gaby Amarantos, Paolla Oliveira, Marcelo Tas, Luísa Sonza e por aí vai - sempre se mostraram dispostos a discutir nossos anseios em suas contas pessoais. E digo isso por ser um de seus seguidores desde 2010, quando ele explodiu na web com um vídeo que falava asneiras sobre a saga Crepúsculo, em seu antigo canal (Não faz sentido).

****

Fazendo apenas um trocadilho com o nome do antigo canal do Felipe, para mim a única coisa que não faz sentido é essa necessidade dos minions em remoer o passado para fazer barulho na internet. Marcelo Crivella foi pegar uma imagem de uma HQ de 2010 para chamar um beijo LGBT de "pornografia". Enquanto ele nunca se preocupou em censurar (não que devesse), por exemplo, cenas de violência em outras graphic novels, que também estão disponíveis para crianças. Bem feito! O tiro saiu pela culatra e bateu no mundo todo!

****

De jovem que falava asneiras, o cara se tornou um verdadeiro influencer e ao nosso favor. Só imagina que ele leva mais de 30 milhões de crianças e adolescentes a refletir sobre preconceito. O youtuber tem se tornado tanto uma ameaça para essa bancada opressora (evangélica), que ele se tornou alvo de uma campanha de difamação - #PaisContraFelipeNeto, que especialistas em crime digital já concluíram que os ataques começaram com o deputado Carlos Jordy (do PSL, mesmo partido do querido presidente).

felipe neto arrow-options
Twitter/Reprodução
Felipe Neto ganhou as páginas da imprensa mundial depois de bater de frente com a censura do prefeito Marcelo Crivella em relação a uma HQ com uma cena de beijo gay.


Agora, todo hétero que se torna um aliado nosso é rotulado como "endemoniado", ou "alguém disposto a transformar crianças em travestis". Para mostrar como a homofobia não é nociva apenas para os LGBTs, mas todos aqueles dispostos a nos ajudar.

Essa galera do contra é tão organizada que o vídeo em que Felipe grita contra a censura de Crivella e anuncia que vai distribuir gratuitamente obras de conteúdo LGBT tem mais de 35 mil "dislikes", enquanto suas outras postagens não têm mais de 3 mil reações contrárias.

Leia também: Distribuição de livros promovida por Felipe Neto lota Bienal do Rio

É só um sinal como essa galera do mal é unida. E como nós, LGBTQI+ devemos estar cada vez mais nos apoiando e dando parabéns e apoio aos héteros aliados dispostos a nos ajudar. Ou vocês não lembram que temos alguns "influencers" como o Zé Ninguém do Carlinhos Maia que, mesmo sendo gay assumido, só serve como deserviço para nossa comunidade e parece estar mais do lado do Bozo que do nosso, reforçando o preconceito?

No mundo afora

E enquanto tinha muito LGBT aí no Brasil metendo pau na atitude de Felipe Neto, veículos de imprensa do mundo inteiro louvaram a atitude e coragem do youtuber em peitar a Prefeitura do Rio. O cara foi notícia no Pinknews (maior portal de notícias LGBTQI+ da internet), além do jornal britânico  The Guardian , o americano  The Washington Post  e a revista  The Advocate .

As publicações tratam o carioca como "importante voz pela luta dos direitos LGBTQI+ no Brasil" e com toda razão, enfatizando o ato de ter distribuído gratuitamente mais de 14 mil exemplares de livros de temática LGBT (como "Com amor, Simon"  e "Me chame pelo seu nome") e a mensagem que ele passou que "o amor não pode ser censurado". 

livro felipe neto arrow-options
Instagram/Reprodução
Youtuber distribuiu gratuitamente mais de 14 mil exemplares de obras de temáticas LGBT


Aqui na Tailândia, colegas europeus e asiáticos me pararam neste fim de semana para perguntar: "Mas a galera no Brasil não é tão mente aberta? Lá não é permitido o casamento homoafetivo?". Sem pestanejar, respondo: "Acho que os mente-abertas são mais barulhentos e a maior parte da população ainda é carrega um forte preconceito enraizado".

Afinal, o Brasil ainda é o país líder em LGBTfobia , registrando o maior número de homicídios e crimes de ódio contra lésbicas, gays, bissexuais e trans no mundo, superando até nações onde ser gay é considerado um crime. É uma nação onde os governantes acham que uma imagem de um beijo gay é mais ameaçadora do que os alarmantes índices de violência na cidade considerada o cartão-postal do Brasil.

Censura de obras literárias não existia desde a ditadura militar, galera. E esse povo acha que tem o poder absoluto nas mãos, querendo pregar a ditadura de suas crenças nas nossas vidas. E se a gente não se unir contra eles, vamos continuar a ser o país do close errado. A gente ainda tem muito o que aprender com caras como Felipe Neto... Obrigado, Aliado!

ASSISTA AO VÍDEO DE FELIPE NETO TÃO ODIADO PELOS MINIONS