Tamanho do texto

Famosa ilha pernambucana é cenário de festival LGBT em agosto, mas tem balada e diversão durante todo o ano

Fernando de Noronha provavelmente é o destino dos sonhos de 9 entre 10 casais em lua de mel no Brasil - e incluo também os casais homoafetivos nesta afirmação. Mas o que pouca gente sabe é que o arquipélago pernambucano conta com um fim de semana oficial LGBT, que já vai entrando em sua sétima edição, o  Love Noronha .

Bandeira LGBT hasteada na Praia do Cachorro, em Fernando de Noronha arrow-options
Diogo Carvalho
Ilha pernambucana recebe a sétima edição do Love Noronha em agosto


Leia também: Dá para acreditar nas empresas que se dizem “gay friendly”?

O festival - que, este ano, será realizado de 15 a 18 de agosto - é um dos que entra no calendário oficial dos baladeiros LGBTs, assim como o Hell & Heaven (Porto de Galinhas - PE, em novembro) e o San Island (Trancoso - BA, em junho). O evento idealizado pela empresária Maria do Céu (do Clube Metrópole, do Recife) é tão badalado que recebe o apoio até do governo britânico, que participa com a festa Love is great.

Só que, ao contrário dos concorrentes, a grande atração não são as festas em si, mas sim o local do evento. As praias do Cachorro, da Conceição, do Sueste e várias outras de Fernando de Noronha por si só já chamam a atenção dos viajantes. Então, melhor ainda visitá-las quando a ilha está toda decorada com cores do arco-íris e com funcionários de hotéis e restaurantes abertos ao público LGBT .

Não que eles não sejam em outros períodos do ano. Empresários como Tuca Noronha, Zé Maria e Auricélio Romão são referência no trato " gay friendly " em seus estabelecimentos. E isso pude comprovar nas mais de cinco vezes que viajei para o balneário, uma delas foi justamente para a primeira edição do Love Noronha, em 2012, quando estive no line up de DJs do evento. 

Turista em direção ao mar da praia Cacimba do Padre, em Noronha arrow-options
Diogo Carvalho
Praias deste paraíso foram eleitas algumas vezes como as melhores do mundo


Noronha é gay e pura diversidade. Dos funcionários de hotéis e restaurantes aos pescadores. Lembro de anos atrás que até o padre da ilha foi alvo de polêmicas ao dar declarações pró-LGBTs e participar de eventos gays. Por isso, se não conseguir se programar para visitá-la durante o Love Noronha, nem se preocupe porque a ilha tem muito a oferecer durante o ano todo.

Ingresos para as festas e informações sobre os pacotes do Love Noronha no link: https://www.eventbrite.com.br/ e/festas-love-noronha-tickets- 62385884861

Sol e Sabores

Não adianta eu ficar gastando algumas linhas do texto para falar das praias , até porque todo mundo já deve ter lido sobre a Praia do Sancho (eleita diversas vezes a mais bonita do mundo), a Cacimba do Padre ou a Baía dos Porcos. Todas destinos e paisagens obrigatórias para as fotos nas redes sociais, com suas várias tonalidades de azul no mar. É bom reservar uma manhã para fazer um mergulho em algum dos naufrágios da região.

Como estamos numa coluna LGBT, preciso indicar a tranquila Praia do Porto de Santo Antônio, de onde saem as embarcações turísticas da ilha. Ela é conhecida pelos moradores locais como uma espécie de reduto gay aos domingos, com suas águas calmas e pouco profundas. Se preferir algo mais isolado, procure a deserta Praia do Leão, que é o final da exigente trilha do Capim Açu, a mais longa e difícil de toda a ilha.

Turista caminha entre as pedras da Baía dos Porcos, em Noronha arrow-options
Diogo Carvalho
Aventurando-se em trilhas, você pode se deparar com praias completamente desertas


Fernando de Noronha não é um destino barato. Além da hospedagem, é preciso pagar taxas diárias de preservação da ilha e para algumas praias o acesso também é pago. Para desbravar, a melhor opção é alugar um buggy (os cor-de-rosa são sensação entre os LGBTs durante o Love Noronha), mas vai ficar refém dos preços dos combustíveis do posto de gasolina mais caro do Brasil.

Há 10 anos, elaborei um guia de restaurantes para a ilha. Eram mais de 25 opções para todos os bolsos, das casas que ofereciam marmitas para os ilhéus aos badalados restaurantes frequentados pelas celebridades nos fins de ano.

Leia também: Pattaya - conheça a cidade que recebe o Circuit Gay Festival da Ásia

Para mim, obrigatório no roteiro gastronômico é uma passagem pelo Restaurante Cacimba, do querido chef Auricélio Romão, amigo de várias personalidades e praticamente um dos embaixadores da ilha. As moquecas e gratinados de fruto do mar de lá são uma coisa de louco. Alguns deles recebem nomes de globais, como Bruno Gagliasso.

Outro também bastante disputado é o Festival da Pousada Zé Maria (outra figura muito querida da ilha), que ocorre três vezes na semana. É para sair de lá rolando depois do buffet. Se for visitar o Museu do Tubarão, vale a pena dar uma olhada no cardápio do pequeno restaurante que eles têm por lá.

Baladas na Ilha

Mergulhador em Noronha exibe bandeira do orgulho LGBT arrow-options
Divulgação/Love Noronha
Funcionários de hotéis, restaurantes e pescadores têm orgulho de reconhecer Fernando de Noronha como um destino gay friendly

Não existem baladas oficialmente LGBTs (ainda), é tudo misturado, mas super "gay friendly". O Pico, no bairro de Floresta Nova, é um dos espaços mais descolados, com xilogravuras assinadas por J. Borges e sua programação cultural. Nas noites de domingo, rola música ao vivo, que atrai bastante a galera mais jovem e casais.

Referência quando se fala em festa em Noronha , o Bar do Cachorro funciona há quase 30 anos, com um mirante bacana para a praia e já teve show até da diva Pabllo Vittar. Todo dia da semana, é palco de uma festa com temática diferente, que vai do brega funk (ritmo sensação entre os locais) a baladas de forró e sertanejo. É o destino certo se quiser encontrar aquele ilhéu que você paquerou durante o dia num passeio turístico.

A pizzaria Muzenza, do lado da Igreja Nossa Senhora dos Remédios, é outro point, com noites dedicadas à MPB, samba rock e até concorridas apresentações de reggae, nas quinta-feiras. Rola também um sambão nos domingos. 

Turistas dançam em festa no Bar do Cachorro, durante o Love Noronh arrow-options
Divulgação/Amora Filmes
Bar do Cachorro é palco de algumas das festas mais disputadas da ilha

Mas a balada mais bacana que visitei (e com pegada mais gay também) é o Bar da Dice, no bairro dos Três Paus, onde boa parte dos ilhéus moram. Como a festa só começa a partir das 2h do sábado para o domingo, rola pegar um táxi para lá depois que acabar a animação da Vila dos Remédios.

Leia também: Pesquisa revela qual o maior fetiche dos gays entre quatro paredes

Gente animada descendo até o chão ao som do tecno brega e outros ritmos pernambucanos e bebiba a um preço mais barato do que o resto da ilha estão entre algumas das atrações do bar que funciona no quintal da famosa Nice. Vai que lá você descola um pescador friendly para terminar a noite...

Confira um vídeo dos melhores momentos da última edição do Love Noronha , que teve show de Pablo Vittar: