Tamanho do texto

Cantor Buchecha e alguns sites cristãos acusam ativistas de ficarem calados diante do crime cometido por um casal de lésbicas contra o menino Rhuan

O crime contra o menino Rhuan Maycon parou o Brasil (e o mundo) diante de tamanha atrocidade. E não é que o cantor Buchecha resolveu usar suas redes sociais para acusar o ativismo LGBT de ficar "calado" diante do caso? Para completar, os fanáticos cristãos e bolsonaristas pegaram o bonde andando para colocar a culpa da violência na comunidade gay.

Cantor Buchecha
Reprodução/Twitter
Cantor Buchecha pediu uma resposta dos ativistas LGBTs a respeito do crime contra o menino Rhuan

Em seu Twitter oficial, o ex-parceiro de Claudinho escreveu: "Uma mãe lésbica e sua parceira esquartejaram um menino, porque queriam que ele fosse menina, cortaram o penis da criança e assassinaram-na, não vi nenhum ativista das causas LGBTS e nem artistas se pronunciarem com veemência de costume, partidos políticos de causas próprias, tô fora".

Vamos lá, meu caro MC... Que tipo de resposta você gostaria da comunidade LGBT sobre o caso? Queria que o presidente da Aliança Nacional LGBTI+ soltando um comunicado do tipo "A comunidade e as ONGs LGBTs lamentam que um casal de lésbicas com sérios problemas mentais tirou a vida de uma criança inocente". Seria isso que você esperava?

ativismo LGBT não tem responsabilidade nenhuma sobre casos como esses. O ativismo (qualquer ele que seja) luta pelas conquistas de direitos de minorias que ficam à margem da sociedade e esquecidas pelo poder público. Pessoas boas, más, saudáveis ou com transtornos mentais existem todo lugar, época, orientação ou identidade de gênero.

Então, caro Buchecha e fanáticos conservadores, não venham dizer que a tragédia aconteceu pelo fato das criminosas serem um casal de lésbicas. Imagina a catástrofe e confusão que vocês podem fazer na cabeça de pessoas nada esclarecidas (como vocês mesmos) de acharem agora que qualquer casal homoafetivo pode agredir seus filhos dessa maneira. Não faz o menor sentido!

Engraçado que, depois de várias investigações, o delegado acredita que a maior razão para o crime foi o FANATISMO RELIGIOSO do casal. Elas eram extremamente evangélicas e faziam sua própria visão da Bíblia do que era pecado ou não. Mas para vocês, a culpa é sempre dos LGBTs. A alienação das igrejas nunca entra na jogada, mas a orientação das pessoas é o que conta...

Não atrapalhem ainda mais a vida de casais de gays e lésbicas que lutam pesado na Justiça pelo simples direito de adotar, de amar, de construir uma família. Mas que é atrapalhado diariamente pela hipocrisia e essa falsa ideia conservadora do que é uma "família tradicional".

Resposta

Crianças seguram faixa com a palavra PAZ, na Parada do Orgulho de Washington (EUA)
Ted Eytan/Flickr
Essa é a mensagem de toda a comunidade LGBT neste momento: PAZ

Quanto à resposta dos ativistas LGBT, Buchecha, também estamos esperando do "ativismo hétero" (esses aí que insistem em criar 'marchas de orgulho') uma resposta ao todos os crimes resultantes do machismo que impera nesta "sociedade de valores" brasileira.

Podem começar a se pronunciar, por favor, a respeito de toda mulher estuprada, toda trans espancada, todo garoto gay morto pela intolerância. Façam-nos um favor: antes de querer pagar de ativista e sensível, parem de olhar para o próprio umbigo e se coloquem no lugar do outro.

Falando por mim, jornalista e ativista há mais de 10 anos: neste Mês do Orgulho, cheio de manifestações e desfiles lindos que já começaram mundo afora, tudo que os ativistas e a comunidade LGBT querem é só espalhar mensagens de paz, amor e respeito.

O caso do menino Rhuan, infelizmente, ainda ficará na memória dos brasileiros por muito tempo. Nós, da comunidade LGBTQI+ e de todo o Brasil, lamentamos muito e esperamos que todos os esforços da comunidade religiosa em atrapalhar os avanços nas conquistas dos nossos direitos sejam catalisados para que ela enxergue a si própria como uma entidade de valores positivos e transmita o amor, ao invés do ódio.

Duas Leoas

A cantora Daniela Mercury lançou no Dia dos Namorados o clipe de seu novo single, Duas leoas. A curiosidade aqui vai para a participação de sua esposa, Malu Verçosa, na produção. "Este filme é uma celebração do amor, da família e da liberdade da comunidade LGBTQ+. Todos nascemos Livres e Iguais", destacou o casal. Assista:


 Vitória na África

Proibida por lei desde 1965, a homossexualidade deixou de ser crime em Botswana na última terça-feira, após um julgamento na Alta Corte do país africano. Agora, todos os termos que envolvam a homossexualidade no Código Penal do país serão anulados. Antes, a pena era de até 7 anos de prisão no caso de relações carnais homoafetivas.

Alvos Fáceis

Perseguição e agressão de pessoas trans não é recorrente apenas no Brasil - apesar de ser o país onde mais se mata LGBTs no mundo. No Paquistão, onde a homossexualidade ainda é considerada um crime, uma mulher trans foi sequestrada, espancada, torturada e teve parte de seu cabelo raspado.

Como ninguém a ajudou, Shakeela precisou ela própria pagar por sua libertação, cerca de 5 mil euros. Ativistas do Oriente Médio afirmam que mulheres trans têm sido alvos recorrentes desses criminosos, que as consideram alvos mais vulneráveis. Nos últimos quatro anos, 64 pessoas trans foram mortas e mais de 600 foram torturadas no país.

Fofos

O momento fofo da semana vai para o jornalista e criador do canal Põe na Roda, Pedro HMC, que pediu a mão do namorado, Paulo Vaz, em casamento na última terça-feira, durante um passeio na London Eye, a maior roda-gigante do mundo, na capital inglesa. Lembrando que, ativista há anos, Pedro sofreu preconceito e até alguns ataques de membros da própria comunidade LGBT, quando assumiu seu romance com Paulo, um homem trans.

LGBTfóbicos fora da OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil vem se mostrando uma das maiores aliadas à causa LGBTQI+. O Conselho Federal da OAB decidiu que, a partir deste ano, os bacharéis em direito com histórico de violência contra LGBTs não vão mais integrar o quadro de advogados da instituição. De acordo com a proposta do conselheiro federal Helio das Chagas, "pessoas com atitudes LGBTfóbicas são desprovidas de idoneidade moral".

Casamento Gay

O Equador se juntou ao Brasil, Argentina e Colômbia e agora é o mais novo país da América Latina a reconhecer a união civil homoafetiva, após uma decisão histórica da Corte Constitucional, desafiando a Igreja Católica em um país superconservador. A constituição do Equador, no entanto, ainda proíbe a adoção por casais homoafetivos.

Princesa

Cantora Ariana Grande
Reprodução/Twitter
Ariana Grande lamentou incidente em frente ao seu show: "nojo"

Uma das estrelas pop mais engajadas com a comunidade LGBTQI+, a cantora Ariana Grande se posicionou de maneira fofa ao saber de um homem que fazia um protesto contra os LGBTs na frente da arena onde ela fazia um show, em Atlanta (EUA). "“Entristecida, mas não surpresa. Desculpas por qualquer um dos meus fãs teve que ver isso. Nós faremos o nosso melhor para garantir que isso não aconteça de novo", escreveu no Twitter.

"Orgulhosa de vocês todos por não usarem a violência. Nunca vale a pena. Desejando a ele paz e um coração curado porque, garota, que nojo”, desabafou a cantora. “Ele está altamente em desvantagem numérica. Vocês são todos tão celebrados e amados e seguros”.

 Não-Binário

 Jonathan Van Ness, do Queer eye
Divulgação
Jonathan Van Ness é uma das estrelas do reality da Netflix

Jonathan Van Ness, um dos ídolos do reality Queer eye (Netflix), assumiu-se como não-binário, em entrevista à revista Out . “Eu não acho que me foi permitido ser não-conformista ou genderqueer ou não-binário. Eu sempre fui o ‘um homem gay’, porque esse é apenas o rótulo que eu achava que deveria ser”, contou

Ele revelou ainda que sempre teve vontade de usar determinadas roupas quando criança, mas que tinha medo do bullying que sofreria na escola. "Hoje, qualquer oportunidade que eu tenha de quebrar os estereótipos do binário, eu o farei, pois estou aqui para isso”, destacou.

 Pluralidade

A Doritos acabou de lançar a nova campanha da sua linha Rainbow, que deve perdurar até o Rock In Rio 2019. Apostando na pluraridade, o vídeo é estrelado pelo grupo de rap Quebrada Queer e convidados. Toda a renda arrecadada com a venda do produto será revertida para cinco ONGs LGBTQI+ do Brasil: Casa 1, Todxs, Wakanda Warriors, INESC e União do Povo de Santa Edwiges.

Cartoons Orgulhosos

ersonagens do cartoon network
Reprodução/Twitter
Cartoon Network lembrou que todos os fãs LGBTs devem sentir orgulho

Grupos cristãos seguem querendo fazer boicote. Desta vez, contra o Cartoon Network, só porque o canal mandou uma mensagem positiva pelo Mês do Orgulho em seu Twitter, encorajando seus telespectadores a "serem orgulhosos durante todo o ano", com uma imagem do desenho As Meninas Superpoderosas. Vão se preocupar com outras coisas, por favor...

Congresso Colorido

Já é de praxe o prédio do Congresso Nacional, em Brasília, receber iluminação específica nos meses do Outubro Rosa e do Novembro Azul, por exemplo. Só que, este ano, no dia 24 de junho, ele vai receber as cores do arco-íris, para celebrar o Mês do Orgulho, em homenagem aos 50 anos da Revolta de Stonewall.

Primos

Já assistiu ao trailer de Primos? O novo longa de Thiago Cazado e Mauro Carvalho tem aparecido nas rodas de debate de grupos de Whatsapp e deve estrear ainda este ano no Brasil. A comédia romântica mostra a história de dois primos, de família bem religiosa, que acabaram de se conhecer e se atraem sexualmente.