Tamanho do texto

Enquanto até Donald Trump parabeniza a comunidade pelo Mês do Orgulho, representantes brasileiros ainda tentam dificultar nossas lutas

O celebrado  Mês do Orgulho LGBT  finalmente chegou. Junho foi o mês quando as primeiras revoltas da comunidade gay contra a pressão da sociedade começaram, há exatos 50 anos, em Stonnewall, nos Estados Unidos. É o mês com a maior concentração de paradas e desfiles em prol da diversidade no mundo, como também é o mês que várias empresas se mostram "friendly" e lançam campanhas e produtos LGBTs.

Leia também: Falta diversidade no cinema da Disney

 príncipes Harry e Meghan
Twitter/Reprodução
Harry e Meghan teceram elogios aos perfis que contribuem para a luta dos direitos LGBTQI+ no Reino Unido

Como sempre fiz questão de reforçar com minha família e amigos, junho é apenas um mês. O orgulho de ser LGBTQI+ deve ser o ano inteiro, a vida inteira. Mas também acho válido que boa parte da sociedade dê um foco maior para as nossas causas e mandem mensagens de apoio. Afinal, nossa luta é, principalmente, pelo reconhecimento e respeito das pessoas fora do meio LGBT.

Sempre bastante progressista em seus pronunciamentos, a família real britânica se mostrou bastante favorável à comunidade LGBTQI+ em publicação recente feita no Instagram. No perfil oficial de Harry e Meghan, ordenados duques de Sussex, um texto em homenagem ao mês do Orgulho, que receberam elogios e agradecimentos de todos os ativistas:

“Este mês prestamos homenagem às contas que apoiam a comunidade LGBTQ+ — jovens e idosos, suas famílias e amigos, contas que refletem sobre o passado e têm esperança de um futuro merecidamente mais inclusivo. Nós estamos com você e te apoiamos   Porque é muito simples: amor é amor”, diz o texto, endereçado a todos os perfis que defendem os direitos LGBTs no Reino Unido.

A fofa e já querida dos gays, a cantora pop Taylor Swift usou suas redes sociais para manifestar-se favoravelmente às demandas da comunidade, num texto endereçado claramente ao presidente Donald Trump e ao senador Lamar Alexander:

“A falta de proteção do nosso país aos seus cidadãos garante que pessoas LGBTQ vivam no medo e que suas vidas sejam viradas do avesso por qualquer empregador ou senhorio que seja homofóbico ou transfóbico. O fato de que, legalmente, algumas pessoas estão à mercê do ódio e do fanatismo dos outros é repugnante e inaceitável. (...) “Vamos mostrar o nosso orgulho, exigindo que a nível nacional as nossas leis tratem nossos cidadãos com igualdade”.

Mudança

 Presidente Donald Trump
Cage Skidmode/Flickr
Donald Trump tomou atitude inédita em seu governo

No entanto, o presidente norte-americano tomou uma atitude inédita e inusitada. Trump, que em dois anos e meio de governo nunca havia se pronunciado em favor dos LGBTs, celebrou o mês do Orgulho em suas próprias redes sociais, enfatizando as contribuições extraordinárias advindas de LGBTs. Também aproveitou para prestar solidariedade, já muitos países ainda punem a homossexualidade.

“A minha administração lançou uma campanha global para descriminalizar a  homossexualidade  e convidar todas as nações para juntarem-se a nós neste esforço”, escreveu o presidente. É claro que a gente enxerga essa mudança súbita de comportamento como uma estratégia política, mas não deixa de ser louvável e um tapa na cara de seus seguidores mais conservadores.

O papa Francisco também foi muito feliz em suas palavras ao falar recentemente sobre a homossexualidade. O pontífice afirmou em entrevista que "se os seguidores de Jesus se convencessem que homossexuais e outras pessoas em relacionamentos 'irregulares' são filhos de Deus, as coisas mudariam muito".

“Eu não posso dizer a uma pessoa que seu comportamento está de acordo com o que a Igreja quer […] Mas eu tenho que lhe contar a verdade: ‘Você é filho de Deus e Deus quer você desse jeito, agora, acerte-se com Ele’. Não tenho o direito de dizer a alguém que ele não é filho de Deus porque ele sentiria falta da verdade. Nem para dizer a ninguém que Deus não o ama, porque Deus ama a todos, Ele ama até Judas”, acrescentou.

papa francisco
Catholic England Church/Flickr
Papa Francisco defendem amor e respeito a todos em mensagem

Só lembrando que, no mês passado, o papa já havia falado numa entrevista que pessoas que rejeitam homossexuais não tem coração, como também falou do absurdo de ainda expulsarem filhos de casa somente por conta de sua orientação.

Leia também: Carlinhos Maia: porque beijo gay ainda é um tabu?

Já no Brasil...

Enquanto isso, do outro lado da corrente, os líderes do Brasil só comprovam que o país está mergulhado de vez no conservadorismo. Não precisamos nem dar mais corda para o presidente Jair Bolsonaro e sua corja, não é? Mas não dá para deixar passar as gafes de uma de suas mais celebradas discípulas.

A rainha dos closes errados, também chamada de ministra  Damares Alves  (que perde o tempo questionando a sexualidade do Bob Esponja e da Elsa), soltou mais algumas pérolas, dessa vez em entrevista à BBC Brasil. Na conversa, ela disse que garotas enfrentam uma suposta pressão social para se assumirem bissexuais .

Ao ser questionada sobre a importância do debate das questões de gênero  nas escolas, ela disse que "há estudos científicos dizendo que crianças estão se autodeclarando transgênero, sem ser, por pressão”. Oi?!? E que pressão seria essa? “Pressão social. Hoje é moda a menina de 12 anos dizer que ela é bissexual", falou Damares.

O que a ministra não vê é que, provavelmente uma parcela considerável da população já se enquadrava dentro da comunidade LGBTQI+ , mas não se assumia por medo ou, justamente, por pressão de estar dentro dos padrões da sociedade heteronormativa.

E me coloco nesse bolo, pois quando eu tinha 12 anos, meus únicos referenciais do que era ser gay eram o humorista Jorge Lafond e o polêmico Clodovil. Como eu não me enxergava em nenhum desses dois "padrões" que me eram apresentados, eu não me entendia como homossexual até amadurecer um pouco mais minhas ideias e referências.

damares
PT no Senado/Flickr
Ministra Damares diz que garotas são pressionadas a se assumirem bissexuais

Acho que, Damares, se as meninas se assumem mais cedo é porque elas têm abertura, representatividade e entendimento de mundo, diferente de você quando tinha 12 anos. Alguém tira o microfone dessa cidadã, pelo amor!

A rainha sensata Ivete Sangalo, por exemplo, comentou em entrevista a um portal da Bahia como conversa com o filho sobre o tema: “Quando Marcelo (8 anos) me pergunta, eu digo: ‘seu pai ama sua mãe. Você quer que alguém não permita que seu pai ame sua mãe?’. Eu digo que pessoas que se amam tem que viver aquela felicidade. É um direito de amar”.

"O amor entre duas pessoas só diz respeito a elas e amar não é crime. Isso não atrapalha nem infringe nenhuma lei. Não entra na vida de ninguém. Eu acho que o amor e o respeito são condição no mundo hoje para que a gente tenha alguma esperança, um sopro de futuro”, destacou a cantora. Olha aí, Damares, como se educa com amor..

Heróis do orgulho

capa da revista Le Monde Diplomatique Brasil de junho, com heróis LGBT brasileiros
Le Monde/Reprodução
Revista traz ícones brasileiros como super-heróis

Na edição especial do mês da diversidade, a revista Le Monde Diplomatique Brasil traz na capa uma ilustração maravilhosa. Nela, o artista Caio Borges retrata ícones LGBTs brasileiros como super-heróis. A arte ainda vem acompanhada da brilhante frase: “Tire seu preconceito do caminho. Nós vamos passar com nosso amor”.

Na imagem: Daniela Mercury, Erika Malunguinho, Diego Hypólito, Leão lobo, Jean Wyllys, Louie Ponto, Spartakys, Rico Dalasan, Liniker, Pedro HMC, Laerte, Rica Von Hunty, Nanda Costa, Pabllo Vittar, Johnny Hooker, lorelay Fox, Linn da Quebrada, David Miranda e Glenn Greenwald. Claro que teve gente que sentiu falta de nomes como Glória Groove e Silvetty Montilla, mas quem sabe numa próxima edição...

No recheio da revista, matérias sobre o atual para LGBTs brasileiros , enfrentando o atual governo conservador que tenta impedir a luta pela igualdade. Há ainda textos de ativistas como Renan Quinalha. 

Nome social

Aê, galera do Recife e Região Metropolitana! Nesta quarta-feira (5), vai haver um mutirão gratuito para auxiliar a comunidade trans sobre os procedimentos necessários para alteração do nome no registro civil. Para o atendimento é necessário levar registro de nascimento original e cópia, além da carteira de identidade. Será das 9h às 14h, na Secretaria Executiva de Direitos Humanos (Rua Santo Elias, 535, Espinheiro).

Censurado

cena do filme Rocketman
Divulgação
Cinebiografia de Elthon John teve cenas censuradas na Rússia

Algumas cenas mais explícitas de Rocketman, cinebiografia do cantor Elthon John, foram cortadas pela distribuidora do filme nos cinemas da Rússia. “Todas as cenas de beijos, drogas ou amor entre homem foram cortadas”, escreveu o crítico russo Anton Doline.

O cantor, assumidamente gay , e os produtores do longa criticaram a decisão por meio de comunicado: "É uma aversão cruel ao amor entre duas pessoas. Rejeitamos de maneira mais enfática possível a decisão de ceder a leis locais e censurar Rocketman para o mercado russo".

A distribuidora afirma que os cortes foram feitos para respeitar a legislação russa. No entanto, o ministro russo da Cultura, Vladimir Medinski, desmentiu que sua pasta tenha sido responsável por estes cortes e que tudo é decidido pelo distribuidor. Rocketman já está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Cura gay

O estado norte-americano do Colorado acaba de se tornar o 18º do país a proibir a terapia de conversão, a popular ‘cura gay’, em menores de idade. O governador Jared Polis, que inclusive já revelou ser gay, assinou a lei na última sexta-feira (31). Ele também aprovou uma lei que facilita a alteração de gênero de pessoas trans nos documentos civis.

Reality para todos

Elenco da oitava temporada do reality Are You The One
MTV/Divulgação
Nova temporada de reality da MTV aposta na diversidade

Eu não sei vocês, mas eu sempre sonhei em ver uma versão LGBT do reality De férias com o EX, da MTV... Isso ainda é um sonho, mas a emissora anunciou que vai lançar neste mês do Orgulho LGBTQI+ o seu primeiro reality show de namoro com pessoas sexualmente fluidas. Ou seja: haverá possibilidade de todos os participantes se envolverem.

Isso acontecerá na oitava temporada do Are You The One? nos Estados Unidos, que vai ao ar no dia 26 de junho, direto do Havaí. Esta edição terá 16 participantes que vão além dos clássicos "homem e mulher" e vão abraçar todas as letras do movimento: lésbicas, gays, bissexuais, trans, pansexuais, entre outros.

Sempre à frente do seu tempo na discussão sobre o tema, a MTV afirma que pretende abordar temas que vão desde a saída do armário até a complexidade das identidades de gênero e da dificuldade de uma pessoa LGBTQI+ de encontrar um par perfeito. 

Leia também: Taiwan: conheça o primeiro país da Ásia a aprovar o casamento gay

Bem-vinda ao Vale

 Cantora Ludmilla e a namorada
Twitter/Reprodução
Ludmilla assumiu namoro com sua bailarina

Quem chamou a atenção esta semana foi a cantora  Ludmilla . Em entrevista ao jornalista Leo Dias, ela assumiu que namora já há alguns meses com sua bailarina Brunna Gonçalves. "A música ‘Espelho’, que está no meu novo DVD, foi dedicada a ela”, disse a funkeira que já havia negado ter se envolvido com mulheres.

Em seu perfil no Instagram, a mãe da cantora, Silvana Oliveira, foi todo apoio à filha e rebateu os preconceituosos: “Deixem as pessoas se assumirem e serem felizes. Deve ser uma merda viver de mentiras. A felicidade de vocês é a minha. Que Deus abençoe muito vocês. Eu amo até depois do fim”, escreveu.