Tamanho do texto

Nessa semana, a coluna do Pomba fala do Dia da Visibilidade Lésbica que acontece em 29 de agosto e ainda lembra do Dia do Orgulho Lésbico.


Panfleto Programação Dia da Visibilidade Lésbica do CCLGBT da Zona Norte
Divulgação
Panfleto Programação Dia da Visibilidade Lésbica do CCLGBT da Zona Norte


Essa semana, comemoramos o Dia da Visibilidade Lésbica . A data é uma alusão ao fato de que em 29 de agosto de 1996, foi realizado no Rio de Janeiro o primeiro Seminário Nacional de Lésbicas (Senale), a partir da iniciativa do Coletivo de Lésbicas do Rio de Janeiro (COLERJ).

Leia também: Peça teatral LGBT "Bruta Flor" volta à cartaz em São Paulo

Centenas de eventos acontecem por todo o Brasil para comemorar a data, buscando visibilizar a luta das lésbicas . Aqui em São Paulo eu destaco a programação da "Visibilidade Lésbica " do Centro de Cidadania LGBT da Zona Norte (veja panfleto), que se chama "Luana Barbosa dos Reis", em tributo à mulher negra e lésbica morta por policiais militares em Ribeirão Preto em abril de 2016, após ser espancada por eles em uma abordagem violenta. O CCLGBT da Zona Norte fica na Rua Plínio Pasqui, 186, (próximo metrô Parada Inglesa) - Tel: (11) 2924-5225.
Interessante citar que no dia 19 de agosto, outra data - talvez mais emblemática - comemoramos o Dia do Orgulho Lésbico .

Leia também: Polêmico escritor gay, Santiago Nazarian lança livro de terror "Neve Negra"


Dia do Orgulho Lésbico - A Origem

Fachada do Ferro's Bar - point lésbico na década de 80
Reprodução
Fachada do Ferro's Bar - point lésbico na década de 80

Muitos LGBT s lembram o que aconteceu em Stonewall em New York em 1969, mas poucos sabem que há 34 anos ocorria no Ferro’s Bar , antigo ponto de encontro lésbico no centro de São Paulo, uma manifestação que marcaria pra sempre as lutas pelos direitos LGBT no Brasil.

O Ferro’s Bar na rua Martinho Prado, próximo da Rua Augusta e da Praça Roosevelt, na região central de São Paulo, durante muitos anos foi o principal ponto de encontro lésbico de São Paulo. Porém em 1983, os donos do bar não permitiram a venda do fanzine do Grupo Ação Lésbica Feminista (GALF), chamado Chana com Chana. Indignadas, resolveram fazer uma manifestação contra essa proibição.

Capa do fanzine lésbico Chana com Chana
Reprodução
Capa do fanzine lésbico Chana com Chana

Contando com apoio do então deputado Eduardo Suplicy, da vereadora Irede Cardoso (ambos do PT) e de grupos homossexuais e feministas , o GALF marcou uma manifestação no dia 19 de agosto de 1983. Impedidas de entrar, forçaram a presença, invadiram o Ferro’s Bar e entre discursos inflamados, conseguiram que os donos pedissem desculpas e permitissem a venda do jornal.

Esse dia não só marcou a data da primeira manifestação lésbica brasileira, mas também o inédito apoio de feministas à questão lésbica , bem como uma das primeiras coberturas simpatizantes na grande mídia e ficou reconhecido como o Dia do Orgulho Lésbico .

Cobertura da imprensa da manifestação lésbica
Reprodução
Cobertura da imprensa da manifestação lésbica

O jornal Folha de São Paulo descreveu o ocorrido naquele dia como "A noite em que as lésbicas invadiram seu próprio bar" do jornalista Carlos Brickmann (na foto abaixo de bigode fazendo anotações). Detalhe curioso é que o jornalista Carlos Brickmann durante muito tempo foi assessor de imprensa de ninguém nada menos do que Paulo Maluf (!).

Leia também: Revolta de Stonewall de 28 de junho de 1969 – a origem do Dia do Orgulho LGBT

Enfim, são duas datas para lembrar das lutas passadas e contra todo o preconceito que ainda teima em discriminar os LGBTs. Feliz dia da Visibilidade Lésbica e do Orgulho Lésbico! Para saber mais sobre cultura e o universo LGBT, acompanhe a coluna do Pomba no iGay

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.