Tamanho do texto

A reação dos colegas de trabalho de Joshua ao saberem que ele é drag queen foi positiva, e ele até já performou como drag em um evento da marinha

Joshua Kelley, norte-americano de 24 anos, trabalha como supervisor administrativo na marinha estadunidense de dia e performa como drag queen de noite, transformando-se em Harpy Daniels. Trabalhando há dois anos nas forças armadas , Kelley tem inspirado usuários nas redes sociais a não terem medo de se expressar, independentemente de onde estiverem.

Leia também: Militares saem do armário e encaram o desafio de ser gay nas Forças Armadas

Joshua Kelley trabalha na marinha dos EUA de dia e performa como drag queen à noite, como Harpy Daniels
Reprodução/Instagram
Joshua Kelley trabalha na marinha dos EUA de dia e performa como drag queen à noite, como Harpy Daniels


“Harpy é uma drag queen feroz, divertida e fabulosa. Ela ama performar, ‘dar close’ e agraciar o público com ‘corpão’ e ‘carão’! É o pacote completo, de carisma, singularidade, coragem e talento e vive para inspirar outras pessoas a serem elas mesmas”, afirma Kelley sobre seu alter ego artístico, em entrevista ao “Pink News”.

Leia também: Transexuais militares são tema de ensaio fotográfico emocionante

A história da drag queen que trabalha nas forças armadas

A drag queen pretende inspirar outras pessoas a não terem medo de serem elas mesmas onde quer que estiverem
Reprodução/Instagram
A drag queen pretende inspirar outras pessoas a não terem medo de serem elas mesmas onde quer que estiverem


Kelley conta que começou a fazer drag em 2013, após assistir ao reality show Rupaul’s Drag Race. Montado, ele já ganhou o concurso Miss Gay Harrisburg America de 2015 e já performou como Harpy Daniels para um evento da marinha dos Estados Unidos , em uma batalha de dublagem em novembro de 2017.

O supervisor revela que costumava trabalhar apenas como Harpy Daniels, mas, com problemas financeiros, decidiu se juntar à marinha. “A razão pela qual eu me juntei à marinha foi meu custo de vida, as mensalidades da faculdade, por exemplo. Não estava conseguindo me sustentar apenas fazendo drag”, esclarece.

De acordo com ele, seu pai foi veterano na marinha dos Estados Unidos, então logo já sabia qual emprego escolher. “Eu entrei na marinha, adquiri uma ótima ética de trabalho, conheci pessoas incríveis e tive uma experiência maravilhosa até agora”, diz.


Kelley comenta que não foi difícil revelar aos seus colegas nas forças armadas o fato de que faz drag. “Uma vez que eu construí minha reputação como marinheiro e mostrei como sou profissional, eu então compartilhei minha paixão por fazer drag e tive uma resposta muito positiva, com meus colegas aceitando e manifestando apoio ao que eu faço”, conta.

Leia também: Veja histórias de transgêneros que viram Exército como 'forma de terapia'

Atualmente, sua rotina tem sido tumultuada, e ele não tem conseguido tirar um tempo para se montar de drag queen . No entanto, quando tem um tempo livre, costuma praticar maquiagem, costura e coreografia para novas performances como Harpy Daniels.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.