Tamanho do texto

Usando a visibilidade que têm em perfis nas redes sociais e canais no YouTube, influenciadores trans estão lutando contra o preconceito

Em uma sociedade predominantemente cisgênero (ou seja, de pessoas que se identificam com o gênero que foi designado a elas no nascimento), ser trans normalmente significa sofrer muito preconceito. Felizmente, com a internet, a abertura para a discussão da temática  LGBT  aumentou, colocando o a transfobia em pauta com uma frequência cada vez maior. Com esses espaços, algumas pessoas transgênero estão aparecendo na mídia ou nas redes sociais para inspirar e afirmar seus direitos.

Leia também: "Com Amor, Simon" inspira youtubers, e vídeos com relatos emocionam

Influenciadores transgênero estão ganhando espaço nas redes sociais e conseguindo levantar a bandeira do movimento
Reprodução/Instagram
Influenciadores transgênero estão ganhando espaço nas redes sociais e conseguindo levantar a bandeira do movimento


Além de pessoas como a cantora Liniker e o ator e modelo Tarso Brant, que levantam a pauta no mundo da música e da televisão, o espaço digital também tem ganhado as próprias personalidades transgênero . Muitos influenciadores, que têm como plataforma principal o YouTube, têm abordado assuntos relacionados à transgeneridade e se tornado uma inspiração. Confira oito deles para colorir seu mês do orgulho LGBT:

1. Mandy Candy

A post shared by Mandy Candy (@mandycandyreal) on


Mandy Candy é, provavelmente, a mais conhecida quando se trata de influenciadores transgênero. Com mais de um milhão de inscritos em seu canal no YouTube e mais de 400 mil seguidores no Instagram, Mandy usa a plataforma para mostrar que sua vida é como a de qualquer outra pessoa - e que também é assim que funciona para outras pessoas trans.

Em diversos vídeos, ela problematiza e aborda o preconceito, mas, como está morando na Coreia do Sul, tem, na maior parte do tempo, usado o canal como um espaço para se refugiar de problemas. Compartilhando suas histórias, Mandy espera que outras pessoas se identifiquem e encontrem saídas para os próprios problemas.

2. Thiessa

A post shared by Thiessita (@thiessita) on


Com níveis altíssimos de fofura e mais de 500 mil inscritos em seu canal “Thiessita” no YouTube, Thiessa conta sua história e, ao abordar a temática trans, fala de relacionamentos e do estilo de vida, tanto para espectadores que são cisgêneros como transgêneros.

Na descrição do canal, Thiessa afirma que resolveu criar o canal para poder compartilhar com o mundo suas ideias, sonhos e pensamentos. “Vivi alguns anos me escondendo de todos, no caso, o fato de eu ser trans. Vi aqui nesse espaço uma chance de poder mostrar ao mundo e ganhar apoio”, revela.

Leia também: Saiba como escolher um nome social de acordo com seu gênero

3. Lucca Najar

A post shared by Lucca Najar (@lucca.najar) on


Lucca Najar é um homem trans, e seu canal no YouTube é bem diversificado, apresentando desde brincadeiras, até discussões sobre pessoas transgênero e temas cotidianos. O canal tem cerca de 70 mil inscritos, enquanto seu perfil no Instagram tem 20 mil seguidores.

Na descrição do canal, Lucca escreve: “Aqui não seguimos um roteiro, eu falo sobre mim, sobre eu ser um homem trans e tento ao máximo lutar contra todo esse tabu que cerca as pessoas transgênero”.

4. Rosa Luz

A post shared by Rosa Luz (@rosadobarraco) on

Em seu canal, “Barraco da Rosa”, Rosa Luz, uma mulher trans, traz discussões muito interessantes. Além de fazer vlogs sobre o dia a dia, compartilhando suas vivências, Rosa também se dedica a artes visuais, música e vídeos artísticos. Além de tratar sobre pessoas transgênero, outras temáticas que Rosa aborda em seus vídeos - que são publicados semanalmente - , são as questões da periferia, raça e classe.

5. Xisto Marina

A post shared by @xistomarina (@xistomarina) on


Xisto Marina é uma pessoa que não se identifica com a binaridade de gênero, ou seja, não se classifica nem como homem, nem como mulher. Xisto começou a ganhar destaque na internet com seu canal no YouTube, em que publica vídeos diários discutindo a vida e a não-conformidade de gênero em uma sociedade primordialmente binária.

Atualmente, Xisto está desenvolvendo um podcast semanal chamado “Rumina Comigo", em que fala sobre comunicação, arte e sociedade, focando mais na reflexão do indivíduo, com pesquisas e histórias.

Leia também: Saiba o que uma pessoa não-binária pensa da moda agênero

6. Peter The Pan

A post shared by Peter the Pan (@todosepeter) on


“Olá, meu nome é Peter, eu sou um homem trans, e, nesse canal, vou reportar as mudanças físicas e psicológicas que vão ocorrer durante meu tratamento hormonal, as experiências e algumas dicas para pessoas transgênero e cis sobre o mundo LGBT” é a descrição do canal de Peter, “Peter The Pan”.

Assim, Peter, no processo de realizar a sua transição, traz uma proposta diferente e curiosa para seus vídeos, mostrando a realidade e o cotidiano que muitas pessoas cis sequer conhecem.

7. Hugo Nasck

A post shared by Hugo Nasck (@hugonasck) on


Hugo Nasck também usa o YouTube como principal plataforma e tem quase 100 mil inscritos no canal. Nele, ela aborda temas presentes em sua vida e destaca questões polêmicas, como o fato de ter um pênis e também sofrer com a TPM (tensão pré-menstrual), devido à terapia hormonal que realiza.

Com suas mechas rosas, Hugo quebra padrões e é uma boa inspiração para aqueles que se sentem deslocados na sociedade, servindo de exemplo para autoaceitação do corpo e da personalidade.

8. Ariel Modara


Ariel Modara, homem trans, tem um canal no YouTube com mais de 100 mil inscritos no qual apresenta sua vida e sua transição. Além de abordar temas variados, ele utiliza o canal para desabafar e criar uma identidade com quem todos possam se identificar, mesmo que cada um tenha uma vivência diferente.

Lembrando que, apesar de abordarem assuntos específicos da comunidade LGBT, não são só as pessoas transgênero que podem acompanhar o trabalho dos influenciadores da lista - afinal, apoio nunca é demais!

    Leia tudo sobre: youtube
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.