Tamanho do texto

Em entrevista especial para o iGay, Desmond Napoles, uma inspiração para muitas pessoas LGBT, dá detalhes de como é ser "drag kid"

Desmond Napoles tem apenas dez anos de idade, mas já é um ícone LGBT em Nova York e no mundo, dos palcos às passarelas. Conhecido no cenário drag queen e nas redes sociais por “Desmond is Amazing” (em português, “Desmond é incrível”), ele é performista, modelo editorial, estilista e também um ativista premiado.

Leia também: Menino de 8 anos faz maquiagem de drag queen e viraliza nas redes sociais

drag queen, drag kid, desmond napoles, desmond is amazing, nova york
Reprodução/Instagram/DesmondIsAmazing
drag queen, drag kid, desmond napoles, desmond is amazing, nova york


Falando abertamente sobre o fato de ser gay e se interessar por garotos, ele é uma inspiração para jovens da comunidade e, para muitos, representa uma esperança para o futuro. Em um papo exclusivo com o  iGay , Desmond e sua mãe, Wendy, revelam a trajetória da estrela em ascensão e falam sobre como é ser uma “drag kid” ("criança drag" em tradução livre), como prefere ser chamado, em vez de drag queen .

“A maior paixão de Desmond é se montar de drag queen. No entanto, o mais importante para ele é ser um ativista LGBTQ+. Ele leva a sério o fato de ser uma voz para a juventude”, esclarece Wendy. Segundo ela, o menino não tem medo de se levantar e defender a comunidade, enfrentando o preconceito.

A mãe revela que, apesar de toda a fama do filho - que reúne mais de 60 mil seguidores no perfil do Instagram - Desmond sofre LGBTfobia e recebe comentários odiosos nas redes sociais diariamente. Para driblar as ofensas, Wendy faz questão de checar e remover os comentários preconceituosos das páginas antes de Desmond interagir com os fãs.

Apesar disso, porém, o menino não abaixa a cabeça. “Seja sempre você mesmo, não importa o que as pessoas dizem. Expresse a sua verdade como você quiser, pois, quando você fizer isso, você será mais feliz. Tenha coragem e não se preocupe com o que as pessoas vão achar”, aconselha.

Para os fãs do Brasil, a mensagem que ele deixa é de força e esperança. “As coisas vão mudar, afinal, nada continua o mesmo. Sempre há esperança, e as pessoas [da comunidade LGBT] deveriam se unir e não ter medo de lutar por seus direitos”, diz a “drag kid”. Ainda sobre o Brasil, ele afirma conhecer e curtir a drag queen e cantora Pabllo Vittar.

Leia também: Menininho vê drag queen pela primeira vez na vida e sua reação é pura fofura

A história de Desmond Napoles


Desmond nasceu em junho de 2007, durante a semana do Orgulho LGBT de Nova York, em Manhattan. Como ele mesmo brinca, isso significa que ele "saiu do armário quando nasceu". “Ele pegava minhas toalhas, camisetas e sapatos de salto e saía usando pela casa”, conta Wendy sobre o pequeno, reforçando que ele gostava de brincar com bonecas, trens, mapas, videogames e livros para colorir.

Até os cinco anos de idade, Desmond nunca havia demonstrado interesse em esportes até se apaixonar pela dança e passar a fazer aulas de balé. De acordo com a mãe, aos seis, ele ficou muito feliz ao ganhar uma fantasia de Elsa, do filme “Frozen”, da Disney, para vestir no Halloween. Depois disso, ele começou a pedir fantasias de princesa ou vestidos quando faziam compras.

“Eu assistia 'Rupaul’s Drag Race' [reality show de drag queens], e ele costumava voltar sua atenção para a televisão. Ele amava as roupas coloridas e as maquiagens, e dizia: ‘Eu quero fazer isso!’, Nós não nos importamos na época, achávamos que era uma fase, mas estamos bem com ele fazendo drag. É a escolha dele, deixa ele feliz e não machuca ninguém”, explica a mãe.

Com o tempo, ele começou a demonstrar vontade de usar vestidos fora de casa, o que, no início, foi uma preocupação para os pais. Eles não sabiam se permitir o filho era a decisão certa, e perceberam que essa insegurança vinha do preconceito que Desmond poderia sofrer pelas escolhas que fazia.

Nessa época, os pais do garoto chegaram a consultar um terapeuta, que disse que a melhor opção seria deixar Desmond desenvolver a própria personalidade naturalmente, sem interferências. Apesar de atuar como drag queen, o menino não se identifica como transgênero; segundo os pais, ele sempre diz que é um menino que gosta de se vestir como menina.


Wendy caracteriza a aceitação por parte das outras pessoas próximas ao garoto como tranquila. “Nenhum de seus amigos ou colegas foi contra as novas escolhas que Desmond estava fazendo em seu estilo de vida. Temos sorte de morar em Nova York, onde as pessoas são diferentes e são expostas à arte, música, cultura e moda todos os dias de suas vidas”, explica a mãe.

Wendy ainda compara o apoio que dá aos interesses de Desmond com o apoio de uma mãe qualquer a um filho que gosta, por exemplo, de um esporte. Para ela, os cenários são exemplos de amor incondicional e reconhecimento do filho como um indivíduo.

Com o tempo, ele começou a manifestar interesse por performar, escolhendo as próprias roupas, que incluíam vestidos e perucas. Segundo Wendy, as pessoas começaram a notá-lo, impressionadas em ver uma criança realmente se expressar e ser aceita dessa forma, e passaram a convidar Desmond para projetos - algo que ele adorou.

Leia também: Mãe e filho fazem maquiagem de drag queen juntos e fotos causam polêmica

Conquistas e projetos de Desmond


Apesar de não ter mais um grande interesse pelo balé, Desmond ainda ama dançar e faz parte do Iconic House of UltraOmni, tradicional clube de drag queens de Nova York, sendo o membro mais jovem. Desde 2015, ele tem sido uma fonte de esperança e inspiração para muitos da comunidade LGBTQ.

Segundo o garoto, os momentos mais marcantes de sua vida até agora aconteceram em 2017. Nesse ano, Desmond foi um convidado especial na Rupaul’s DragCon NYC, convenção do reality show de drags, e cortou a faixa de inauguração junto da renomada drag queen Rupaul. No mesmo ano, em julho, ele ganhou o prêmio Marsha P. Johnson "Don’t be Outraged, Be Outrageous Award", significativo para a comunidade e gratificante para indivíduos que enfrentam o preconceito.


Hoje, Desmond continua a se reinventar, criar e mergulhar em vários projetos sobre a juventude LGBT. Recentemente, ele fundou o "Haus Of Amazing", primeiro clube de drag queens para crianças, ou “drag kids”. Seu objetivo com isso é unir pessoas de até 20 anos em um local seguro e positivo onde elas possam se expressar.

E ele não para por aí. Segundo a pequena  drag queen , há outros projetos em pauta, como uma revista própria para a juventude LGBT, chamada “The Amaziest Magazine”, uma nova série de vídeos em seu canal no YouTube e até uma música autoral. O menino também está escrevendo um livro para crianças e criando cosméticos e coleções de roupas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.