Tamanho do texto

Segundo um levantamento, Malta é o país europeu com o maior número de leis que protegem pessoas LGBT, enquanto a Irlanda fica em último lugar

Quem tem o sonho de viver em outro país normalmente pondera os custos de vida e as oportunidades de emprego que as opções oferecem antes de tomar uma decisão. Para pessoas LGBT, porém, há preocupações extra. Em comparação com décadas passadas, é mais fácil assumir uma orientação sexual diferente da hétero atualmente, mas, mesmo assim, a homofobia ainda é algo muito presente, principalmente em algumas sociedades.

Leia também: Roma registra bebê de casal homossexual pela primeira vez na história

Na hora de decidir algo tão significativo quanto uma mudança para outro país, pessoas LGBT acabam levando esse aspecto em consideração. Pensando nisso, o Expert Market, site britânico que compara preços de serviços diversos, realizou um levantamento que revela quais são os melhores e os piores países europeus para pessoas que não são hétero viverem e trabalharem; confira:

Os melhores

  • Malta
Com o maior número de leis voltadas à comunidade LGBT, Malta é o país mais `gay friendly` da Europa, segundo a lista
Shutterstock
Com o maior número de leis voltadas à comunidade LGBT, Malta é o país mais `gay friendly` da Europa, segundo a lista














Este país localizado ao sul da Europa ocupa o topo da lista por uma série de fatores. De acordo com o levantamento, ele tem o segundo menor nível de desemprego do continente e o maior número de leis voltadas para a proteção dos LGBTs. Além desses aspectos, o país tem praias que o transformam em um paraíso.

  • Dinamarca
A Dinamarca vem em segundo lugar, oferecendo a possibilidade de casais LGBT casarem-se e adotarem filhos
Shutterstock
A Dinamarca vem em segundo lugar, oferecendo a possibilidade de casais LGBT casarem-se e adotarem filhos

Atualmente, esse país nórdico está entre os dez primeiros da Europa no “Rainbow Index”, que avalia questões como a relação dos países com casamento e adoção de crianças por casais homoafetivos. Lá, casais homossexuais podem casar-se (tanto no civil quanto religiosamente), adotar filhos (com direito a licença-maternidade ou paternidade para o casal), raramente sofrem discriminação em qualquer ambiente e contam com serviços específicos para fazer denúncias caso precisem.

  • Croácia
A Croácia fica com o terceiro lugar, mas tem muito o que melhorar quando se fala em alguns direitos da comunidade LGBT
Shutterstock
A Croácia fica com o terceiro lugar, mas tem muito o que melhorar quando se fala em alguns direitos da comunidade LGBT

A Croácia considera a discriminação por orientações sexuais um crime, e pessoas que não são heterossexuais podem se casar e ir para o exército. Apesar disso, ainda há um longo caminho pela frente quando o assunto é adoção ou transição de gênero. Quanto à maternidade ou paternidade, LGBTs podem se tornar guardiões legais dos filhos dos parceiros, mas a adoção ainda não é legalizada para casais homossexuais . Enquanto isso, a transição de gênero só é reconhecida caso a pessoa faça a cirurgia de redesignação.  

Leia também: Menininho vê drag queen pela primeira vez na vida e sua reação é pura fofura

  • Áustria
Assim como na Croácia, a Áustria não tem a adoção de crianças por casais LGBT legalizada
Shutterstock
Assim como na Croácia, a Áustria não tem a adoção de crianças por casais LGBT legalizada

Na Áustria, também é possível que casais homossexuais se casem e que pessoas se tornem guardiãs legais dos filhos dos parceiros de mesmo sexo (assim como na Croácia, a adoção não é legalizada). Lá, a discriminação das pessoas tanto pela identidade de gênero quanto pela orientação sexual é crime, todos podem se alistar no exército e a transição de gênero é reconhecida sem a necessidade de cirurgia de redesignação.

  • Espanha
Além de assegurar diversos direitos dessa comunidade, diversas cidades na Espanha celebram a parada do orgulho gay
Shutterstock
Além de assegurar diversos direitos dessa comunidade, diversas cidades na Espanha celebram a parada do orgulho gay

Além de muitas cidades da Espanha sediarem paradas do orgulho LGBT de forma grandiosa (principalmente em Madrid, Barcelona, Valência e Sevilha), a discriminação é crime, e a maior parte das pessoas aceita a diversidade sem problemas. Lá, a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo já foi legalizado há anos, os casais podem adotar crianças e até registrar bebês que são fruto de inseminação artificial (ao contrário do que acontece na Itália, por exemplo).

Leia também: Dez celebridades que morreram sem assumir a própria sexualidade

Os piores

Os cinco países que formam a lista dos piores para abrigar pessoas LGBT pecam quando o assunto é a liberdade, os direitos e a proteção delas. De acordo com o levantamento, a Irlanda encabeça a lista porque, apesar de ter legalizado o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2015, tem uma legislação limitada e não criminaliza a descriminação contra identidades de gênero ou orientações sexuais, por exemplo. Seguindo a Irlanda, a lista segue com Lituânia, Itália, Bulgária e Letônia. Para conferir a pesquisa completa, clique aqui .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.