Tamanho do texto

Os super-heróis trans do mangá são "heróis sem identidade secreta" e ganham seus poderem quando expressam sua identidade de gênero

Na segunda edição da Semana de Arte Trans (SAT) de Montevidéu, que aconteceu entre os dias 9 e 15 de abril, o uruguaio Leho De Sosa apresentou o primeiro mangá transgênero da América Latina . O anime se chama “ Teen Trans ” (em português, “adolescente trans”) e trata de uma história de aventura e ativismo. 

Leia também: Artista cria personagens gays inspirados em desenhos da Disney

O primeiro mangá transgênero foi apresentado na 2° edição da Semana de Arte Trans de Montevidéu, por Leho de Sosa
Reprodução/Yotube/LesGaiCineMad
O primeiro mangá transgênero foi apresentado na 2° edição da Semana de Arte Trans de Montevidéu, por Leho de Sosa


À agência "EFE", o autor explica que a ideia por trás da história é a de visibilizar a identidade de gênero para adolescentes usando a aventura de super-heróis adolescentes, com personagens fictícios e reais, ou seja, mostrar a realidade vivida por quem é  transgênero .

Sosa explica que, em sua infância como um menino gay, ele notava a “ausência de personagens e produtos de identidade” para meninos e adolescentes que se identificavam como integrantes da comunidade LGBT. Lembrando dessa realidade e com a intenção de mudá-la, ele criou “Teens Trans”.

Ele, que desenha quadrinhos e mangás “desde sempre”, criou os quatro protagonistas da história em 2016 e teve uma boa recepção do público ao apresentá-los durante a primeira edição da SAT. Assim, o desenhista se propôs a desenrolar uma história para os adolescentes, mesclando ficção e realidade da luta social do grupo trans.

Em um trocadilho, o nome completo da obra é “Teen Trans, héroes sin identidad secreta” (em português, “heróis sem identidade secreta”), fazendo alusão ao fato de que, geralmente, os super-heróis se escondem atrás de máscaras e fantasias. Muito pelo contrário, os protagonistas desse mangá ganham poderes quando não se escondem, passando a mensagem de que não se deve ter medo de mostrar quem é.

Leia também: Cartoon Network censura primeiro beijo gay de seus desenhos animados

Os personagens do mangá transgênero

O primeiro mangá transgênero foi apresentado na 2° edição da Semana de Arte Trans de Montevidéu, por Leho de Sosa
Reprodução/Youtube/IIDH Audiovisuales
O primeiro mangá transgênero foi apresentado na 2° edição da Semana de Arte Trans de Montevidéu, por Leho de Sosa


O eixo principal de “Teen Trans” é formado por quatro personagens: Alex, Ann, Delfi e Tino.
Alex tem 18 anos e ganha o poder de modificar sua forma física, sua força e sua velocidade. Ann, de 17 anos, pode voar, além de ter “poderes variáveis embasados na história e na memória coletiva que fluem pelo universo quântico”.

Enquanto isso, Delfi, de 15 anos, passa a absorver “a energia biodiversa do meio ambiente”, sendo capaz de canalizá-la em descargas sensíveis. Por último, Tino, de 14 anos, consegue canalizar sua jovem e instável energia biodiversa "em seu ambiente e controlar a massa e o espaço-tempo".

Leia também: Desenho da Disney mostra casal lésbico e divide opiniões

Para apresentar uma mensagem além de proporcionar o entretenimento de jovens e adolescentes, o autor também incorporou ao mangá personagens inspirados em verdadeiros ativistas transgênero da América Latina, como a argentina Susy Shock ("Comandanta Choque") e a uruguaia Delfina Martínez ("Agente D").

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.