Tamanho do texto

"Foi um vídeo muito difícil de gravar porque algo que parecia ser o fim do mundo hoje parece um pequeno detalhe", diz o escritor Vitor Martins ao iGay

Um adolescente de 16 anos que tem medo de não ser aceito pela família e pelo mundo, que luta com seus próprios instintos para esconder algo que faz parte dele, até que se apaixona e percebe que não pode deixar de viver uma grande história de amor por conta do preconceito. Essa história familiar é a do filme "Com Amor, Simon", que está fazendo o público LGBT+ se ver nas telas do cinema e também inspirou youtubers a encarar os fantasmas do passado e gravar vídeos emocionantes falando da infância e adolescência.

Leia também: Conheça 10 livros LGBT que vão te inspirar a colocar a leitura em dia

Divulgação
"Com Amor, Simon" é inspirado em um livro e levou youtubers a gravar vídeos em que mandam recado para eles mesmos


Inspirado na obra literária da escritora americana Becky Albertalli, " Com Amor, Simon " repete o sucesso do descontraído livro – uma comédia romântica envolvendo Simon Spier, um jovem que tem medo de sair do armário e não ser aceito. Sem ninguém para conversar sobre o assunto, ele acaba trocando e-mails anônimos com o misterioso Blue, um aluno da sua escola que também é gay, mas ele não sabe quem é. Simon acaba se apaixonando por ele e para descobrir sua verdadeira identidade acaba entrando em conflito com seus melhores amigos.

Identificação com Simon

O escritor e youtuber Vitor Martins, de 27 anos, é um dos fãs fervorosos da obra. Em 2015, ele leu o livro ainda em inglês, assim que foi lançando nos Estados Unidos. “Acompanhei todo o processo do livro até chegar aqui no Brasil e também os detalhes a adaptação para o cinema”, conta em entrevista ao iGay . Com o intuito de ajudar na divulgação do filme, ele passou a gravar vídeos em seu canal falando sobre o livro e o filme.

“Em pequenos momentos eu me vi no Simon, como quando ele sai do armário para sua melhor amiga, Lea. Foi parecido com o que aconteceu comigo, principalmente o alívio que ele sentiu por poder conversar alguém sobre ser gay”, expõe Vitor. “Não tive uma família tão receptiva quanto à do Simon, mas minha relação com minha mãe hoje é parecida com a relação que a personagem tem com a mãe dele”, acrescenta.

Coragem de expor o que sente

Simon vive conflitos que muitos LGBT+ também viveram e, por isso, é comum se identificar com ele ao ver o filme
Divulgação
Simon vive conflitos que muitos LGBT+ também viveram e, por isso, é comum se identificar com ele ao ver o filme

Tanto no filme  "Com Amor, Simon" quanto no livro , [cuidado com spoiler], o protagonista da história tem seus e-mails expostos em um blog da escola e perde o direito de decidir quando deve se assumir. Ele se depara com vários problemas até descobrir quem é o Blue. Quando consegue superar seus medos, usa o mesmo blog para expor como se sente, e vários alunos se inspiram com a coragem dele e começam a fazer o mesmo.

Como a maioria das pessoas LGBT+ passaram pela mesma agonia e problemas de auto aceitação, surgiu a ideia de gravar vídeos com o seguinte tema: que conselhos você daria para si mesmo na época da infância ou da adolescência? O que você diria para aquela pessoa que se sentia sozinha e não tinha coragem de se assumir?  


Vitor foi um dos primeiros a gravar. “Foi um vídeo muito difícil de gravar, deixei para a última hora e foi sem roteiro. O vídeo bruto tem mais de meia hora, comecei a falar e não parei mais. Editei porque tinha coisas muito pessoais”, revela o escritor. “Foi um exercício intenso. Acho que se eu recebesse esse vídeo na adolescência não mudaria as coisas, mas aliviaria, pois saberia que existiam pessoas que vivia as mesmas coisas que eu. Algo que parecia ser o fim do mundo hoje parece um pequeno detalhe.”

Iniciativa tem o intuito de ajudar

O vídeo inspirado em "Com Amor, Simon" tem recebido um retorno muito positivo, acredita o youtuber, pois muita gente que passou ou está passando por isso está se identificando. “Se eu conseguir ajudar pelo menos uma pessoa, minha missão foi cumprida”, afirma, e acrescenta que esse tipo de conteúdo pode ajudar muitos adolescentes que não se sentem parte do que é imposto como um padrão.  

Leia também: Filmes LGBT: confira os oito grandes clássicos do cinema

Para conseguir esconder seu segredo e manter contato com Blue, Simon chega a entrar em conflito com seus amigos
Divulgação
Para conseguir esconder seu segredo e manter contato com Blue, Simon chega a entrar em conflito com seus amigos


“Quando a gente é adolescente, temos a necessidade de pertencer e fazer parte de um grupo. Antes tínhamos que nos enquadrar no que víamos na grande mídia  e não tinha diversidade, não me identificava com os personagens das novelas, por exemplo. O YouTube é bacana por isso, tem muita gente que produz um bom conteúdo, e você pode ser o protagonista do seu canal. Você não precisar ser um atorzinho de ‘Malhação’ para falar o que pensa. Isso ajuda quem está em cidades pequenas e não consegue encontrar pessoas que sejam e pensem igual a você.”

Com amor, com muito amor

Além de Vitor, outros youtubers também deram a cara a tapa e tocam em feridas do passado. “Com amor, Taty”. “Com amor, Louie”. “Com amor, Luba”. Relatos emocionantes e com mensagens cheia de esperança tomaram conta do YouTube  nos últimos dias e estão somando inúmeros views. O escritor assistiu vários desses vídeos e conta que um dos que mais o deixou emocionado foi o feito pela drag queen Lorelay Fox, intitulado “Com amor, Danilo”.

“Foi algo muito pessoal, tocante e super bonito. Não estava esperando por isso porque a Lorelay é sempre tão alegre. É ótimo ela fazer algo assim porque é uma youtuber de sucesso mostrando vulnerabilidade e que passou por muita coisa para chegar até onde está. Ela se abriu e fiquei emocionado”, relata o escritor.

Inspiração literária

O youtuber fez vários vídeos falando do filme e do livro e também é autor de uma obra com a temática LGBT
Divulgação
O youtuber fez vários vídeos falando do filme e do livro e também é autor de uma obra com a temática LGBT

Fora a questão da sexualidade, Vitor enfrentou e ainda enfrenta problemas de aceitação do próprio corpo. “Eu tinha muitas questões na adolescência, amar o próprio corpo é difícil, a gente nunca se aceita o tempo todo”, diz.

Leia também: Drama LGBT: "Quiseram me internar", diz jovem trans sobre se abrir para família

Para colocar para fora parte do seu sofrimento e para ajudar outras pessoas, usou sua vida como inspiração para escrever o livro “15 dias” – que conta a história de um garoto que deseja ser amado do jeito que ele é, mas tem medo de não ser aceito. Assim como " Com Amor, Simon ", a obra tem ajudado muitos leitores, e o escritor recebe frequentemente várias mensagens de pessoas que se sentiram entendidas e representadas.

    Leia tudo sobre: gay
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.