Tamanho do texto

Com a canção "Para tudo", o novo videoclipe de Paulette Pink carrega referências autobiográficas e mensagens para a comunidade LGBT

A drag queen Paulette Pink  acaba de lançar um clipe para a música “Para tudo”. Com referências autobiográficas, a letra da canção trata sobre diversidade e respeito, com a mensagem de “nunca desistir dos seus sonhos”.

Leia também: "Estou renascendo das cinzas, como uma fênix", conta a drag queen Paulette Pink

Em novo videoclipe, a drag queen Paulette Pink aparece com todas as suas faces
Divulgação
Em novo videoclipe, a drag queen Paulette Pink aparece com todas as suas faces


O clipe apresenta as diversas faces da drag queen : Paulette toda cor-de-rosa, de Cher e de cara lavada. Para completar, várias pessoas comuns também entoam a música. A direção e a produção do clipe são da jornalista Patrícia Favalle. 

Referências autobiográficas

"Para tudo" fala um pouco da própria Paulette. “É um resumo da minha história, sempre existi cor de rosa”, afirma em um papo com o iGay. Na vida pessoal, Paula passou pela transição de gênero até se assumir mulher. Ela conta que começou vestir rosa há 25 anos, e que, desde então, a Paulette foi tomando conta e dominando o antigo “Paulo”, como diz a letra da música.

Com
Divulgação
Com "a cara à tapa", Paulette aparece em seu clipe em uma versão totalmente sem maquiagem e sem personagem


No vídeo, ela ainda aparece de cara lavada “para colocar a cara à tapa”, sem se esconder por trás de uma personagem. Paulette também fala, sem dar detalhes, que passou por problemas com relação a direitos autorais e a música serviu para soltar toda sua frustração.

Leia também: Visagismo: a arte de criar uma identidade que revele sua personalidade

Assista ao clipe: 


Comunidade LGBT e cenário drag

O clipe também exibe rostos de amigos de Paulette, pertencentes à comunidade LGBT. Com isso, a mensagem que quis passar foi a de que “todo mundo pode ser o que quiser”. Ela afirma que todos são iguais e o que importa é o caráter da pessoa. "Nós do movimento LGBT somos sensíveis, criativos e vamos dominar o mundo!", comenta a artista. 

Ela diz que não foi fácil chegar a esse patamar e conquistar o reconhecimento como drag e artista. Até a atriz Cher, uma das personagens vividas por Paulette, já comentou o trabalho da brasileira. "Quebrei muitos tabus para que as drags de hoje fossem glorificadas”, comenta.

Hoje, além de cantora, artista, drag queen e mulher trans, ela é também madrinha do evento beneficente “Divas que Correm”, direcionado ao público feminino.

Leia também: Paulette Pink: “O mundo gay precisa mudar, não eu”

Mais amor, por favor

A drag queen ainda ressalta uma mensagem importante, a de espalhar o amor. “As histórias de amor sempre vem e vão e as histórias de preconceito sempre vem e vão. O que eu quero é que as histórias de preconceito vão e não voltem mais, que só fiquem as histórias de amor", diz Paulette Pink. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.