Tamanho do texto

Daniela Vega é estrela do filme "Uma Mulher Fantástica" e subirá ao palco do Oscar 2018 para entregar uma das estatuetas aos vencedores da noite

A atriz chilena Daniela Vega, de 28 anos, será a primeira mulher transgênero a apresentar o vencedor de uma categoria no Oscar , que acontecerá no dia 4 de março, em Los Angeles, nos Estados Unifos. A Academia divulgou na sexta-feira (16) uma lista com os responsáveis por abrir o envelope e anunciar os vencedores da noite, e o nome de Daniela se destacou. Neste ano, ela interpretou a protagonista do filme “Uma Mulher Fantástica”, do diretor Sebastián Lelio, que concorre à estatueta de melhor filme estrangeiro. As informações são do "The Guardian".

Leia também: Laverne Cox é a primeira transexual a ser indicada ao Emmy

Daniela Vega é uma mulher transgênero fantástica e terá a honra de ser a primeira a apresentar o Oscar
Divulgação
Daniela Vega é uma mulher transgênero fantástica e terá a honra de ser a primeira a apresentar o Oscar


A decisão partiu de John Bailey, novo presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (Ampas) com a missão de trazer mais diversidade, após a polêmica de 2016 envolvendo a falta de indicações a pessoas negras. Uma década depois de realizar a transição para o corpo feminino e se assumir transgênero , Daniela Vega faz sua estreia no cinema com a obra, que brilhou no festival de Berlim.

Uma mulher fantástica

No longa-metragem, sequência de “Gloria”, filme do diretor chileno aclamado pela crítica, Daniela é o retrato da personagem Marina, uma jovem mulher trans enfrentando a intensa hostilidade social. Ela é garçonete e cantora, em um relacionamento com um homem mais velho, e precisa sobreviver e encarar o preconceito.

A obra de Sebastián vem sendo aclamada por ser um exemplo raro de uma heroína trans interpretada por uma mulher com a mesma identidade de gênero, em um ramo predominado por atores cisgênero.

Leia também: Série sobre transgênero divide opiniões ao colocar ator hétero como protagonista

Em um artigo do "The Guardian", a jornalista trans Juliet Jacques afirmou que Daniela pôde colocar muito de sua experiência na trama. Em entrevista ao veículo, a própria atriz reconhece: “sou muito eu mesma”, sem precisar modelar minhas características para se encaixar no papel.

Nascida em Santiago, Chile, a atriz experienciou discriminação entre 10 e 12 anos de idade, quando ela começou a entender sua identidade feminina, mas estudava em uma escola para garotos. Ela afirma ter sofrido forte opressão. “Isso me ensinou que eu teria que me proteger.”

Durante sua descoberta, teve pais que a apoiaram e ajudaram na transição, na adolescência. Daniela também teve forte influência das avós, consideradas “divas” por ela.

Leia também: 7 atores transgêneros que estão fazendo sucesso na mídia

Em Madri, “Uma Mulher Fantástica” ganhou o prêmio Goya por melhor filme estrangeiro em espanhol. Com o time de produção do filme, a mulher transgênero pronuncia apenas quatro palavras ao microfone: “Rebeldia, resistência e amor”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.