Tamanho do texto

O conteúdo publicado pelo grupo evangélico nas redes sociais são voltados para o público jovem com a finalidade de "ajudar almas perdidas"; entenda

O grupo de mídia evangélico "Anchored North", fundado no estado da Califórnia, Estados Unidos, tem usado a mesma linguagem de campanhas digitais que apoiam grupos LGBT+, como as hashtags virais #ItGetsBetter e #LoveWins, para fazer propaganda de terapias de conversão e divulgar mensagens homofóbicas nas redes sociais.

Leia também: Militares são os primeiros gays a se casarem em academia do exército americano

Um vídeo publicado pelo grupo de mídia evangélico
shutterstock
Um vídeo publicado pelo grupo de mídia evangélico "Anchored North" está sendo acusado de fazer propaganda anti-gay





O vídeo intitulado "Love is love" — "Amor é amor", traduzido para o português — foi uma das publicações do grupo acusadas de propaganda  anti-gay. Nele, Emily conta sobre como se assumiu lésbica para os pais e lembra das namoradas que já teve. "O amor não acontece necessariamente entre um homem e uma mulher. Se você é um verdadeiro cristão, vai ficar do meu lado e não julgar, porque Deus é amor", diz a garota. 

Além da história de Emily, a produção também traz as cores do arco-íris , símbolo da comunidade LGBT. Entretando, a partir do segundo minuto, a jovem aparece em uma igreja e diz ter pesquisado na internet sobre os versículos da Bíblia que falam sobre homossexualidade. "Isso me deixou muito assustada", afirma. 

Leia também: Defensoria Pública do Estado de SP denuncia Ratinho após declarações homofóbicas

No fim do vídeo, ela está abraçando um homem enquanto explica: "Você sentir um desejo pelo pecado só prova que precisa receber a graça, assim como eu. Não é [uma transição] de gay para hétero, mas sim de 'perdida' para 'salva'". Emily justifica que os seres humanos "não nascem assim", como é afirmado pela comunidade LGBT, mas, sim, que eles nascem em pecado e podem encontrar esperança em Jesus.

Resposta do grupo 

Em entrevista ao jornal britânico "The Guardian", Greg Sukert, um dos fundadores do "Anchored North", afirma que homossexualidade, assim como embriaguez, promiscuidade e estupro são "verdadeiros problemas", mas que o vídeo não promove terapia de conversão, também chamada de "terapia de reorientação sexual". 

Leia também: “Não é possível mudar a orientação sexual”, afirma psicólogo sobre "cura gay"

"A mensagem de alguém que muda a atração e o desejo que sente  não é o mesmo que uma terapia de conversão. O método usa da psicoterapia para alterar o comportamento de alguém, o que não é o que nos queremos dizer. A mensagem que  estamos passando é que Deus pode mudar um coração."

Além de ser acusado de propaganda homofóbica, Greg ainda diz que o grupo de mídia tem sido perseguido por causa das crenças religiosas e do desejo de ajudar "almas perdidas". O vídeo "Amor é amor" teve mais de dois millhões de visualizações no Facebook e, entre as demais publicações na página do "Anchored North" estão conteúdos para a geração Y sobre temas como "Bebês abortados vão para o céu?" e "Eu perdoei meu estuprador".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.