Tamanho do texto

Pesquisadores afirmam que anticorpo produzido por mulheres que engravidaram de homens pode ter relação com a homossexualidade

Pesquisadores da Universidade de Toronto teriam encontrado uma relação biológica com a homossexualidade. De acordo com o estudo, homens com irmãos mais velhos têm mais chances de serem gays por causa de um anticorpo produzido pelo corpo da mãe com o nascimento do primeiro filho. A pesquisa foi publicada em “Proceedings of the National Academy of Sciences”

Leia também: 73% dos LGBT brasileiros já testemunharam homofobia no trabalho; veja dados

A pesquisa diz que homens com irmãos mais velhos têm mais chances de serem gays
shutterstock
A pesquisa diz que homens com irmãos mais velhos têm mais chances de serem gays

Segundo o estudo, a chance de um filho ser gay é estimada em cerca de 3%. Mas para alguém que tem três irmãos mais velhos, a chance duplica para 6%. Com a descoberta, os pesquisadores afirmam que “o estudo é um grande avanço na compreensão das origens da orientação sexual nos homens”.

Leia também: Pesquisa mostra que ansiedade é mais frequente em pessoas LGBT

A pesquisa

Enquanto as meninas têm dois cromossomos X - os genes que determinam o sexo biológico de uma criança -, os meninos têm um cromossomo X e Y. E é justamento o cromossomo Y que cria as diferenças biológicas que fazem a mulher ter uma reação imune quando está grávida de um menino. Em resposta ao bebê, seu corpo reage contra o cromossomo Y e cria um anticorpo chamado anti-NLGN4Y.

Os anticorpos são uma reação aos corpos "estranhos" que invadem o corpo, neste caso, o embrião masculino. Depois de ter um filho, uma mulher constrói um grande suprimento do anticorpo, e isso pode afetar o desenvolvimento do cérebro decrianças do sexo masculino que nascerem depois. "Este efeito torna-se cada vez mais provável com cada gestação masculina, alterando estruturas cerebrais subjacentes à orientação sexual em seus filhos nascidos posteriormente", afirmam os pesquisadores.

Leia também: Após morte de irmão,  mulher "super feminina" se assume como homem trans

“Depois de controlar estatisticamente o número de gestações, as mães de filhos homossexuais, particularmente aqueles com irmãos mais velhos, apresentaram níveis significativamente maiores de anti-NLGN4Y do que as amostras de controle de outras mulheres, incluindo mães de filhos heterossexuais".

Apesar da relação entre o anticorpo e o desenvolvimento cerebral masculino, os pesquisadores ressaltam que não há um resultado conclusivo para dizer que ela é determinante para a homossexualidade em homens. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.