Tamanho do texto

A jornada de Ben Carpenter pela adoção começou há mais de 10 anos, quando ele se tornou um dos primeiros gays a adotar no Reino Unido

Com 33 anos, Ben Carpenter, do Reino Unido, é considerado um herói por muitos por ter adotado quatro crianças com necessidades especiais. O que torna a história de adoção ainda mais marcante é que, apesar de ser assumidamente gay, ele não tem um parceiro para dividir os cuidados com os filhos Jack, de 10 anos, Ruby, de sete, Lily, de cinco, e Joseph, de dois. As informações são do "Daily Mail".

Leia também: Quais são as opções disponíveis para os casais LGBT terem filhos?

Ben Carpenter iniciou a jornada da adoção há mais de 10 anos
Reprodução/Daily Mail
Ben Carpenter iniciou a jornada da adoção há mais de 10 anos

A jornada de Ben começou há mais de 10 anos quando ele se tornou um dos mais jovens homossexuais no país a adotar uma criança. Levou cerca de três anos para convencer as autoridades de que ele estava falando sério sobre a adoção e que tinha maturidade e habilidades necessárias para ser um bom pai.

Desde que foram adotadas, todas as crianças fizeram progressos significativos e surpreenderam os assistentes sociais e os profissionais da saúde. “Me chamam de santo o tempo todo e perguntam como eu faço isso”, conta Ben. "Minha mãe Rita é um grande apoio para mim e minha amiga Jeanette é uma mulher incrível e me ajuda. A instituição de caridade Adoption UK também foi adorável e merece elogios pelo trabalho que eles fazem e apoio que eles fornecem".

Leia também: 5 pais que deram uma lição ao aceitar na família os filhos LGBT

Assumidamente gay, Ben conta que ainda ser solteiro não é um problema para ele. "Nunca procurei um relacionamento, nunca me interessou. Eu gosto de fazer as minhas coisas. No final do dia, gosto de uma xícara de chá, uma fatia de bolo e não ouvir ninguém roncando”.

Crianças especiais

Ben optou por adotar crianças com necessidades especiais e uma delas tem Síndrome de Down. Ele sabe que essa não é tarefa simples. "Sempre disse que adotar uma criança com deficiência não é ideal para todos. Você tem que ser totalmente honesto consigo mesmo”, explica Ben. E, para o pai, ver o progresso dos filhos é o que dá motivação para seguir em frente.

Quando ele conheceu sua filha Ruby, ela estava sendo alimentada por aparelhos, em uma cadeira de rodas e incapaz de falar.  "Ela estava petrificada e tremendo. Partiu o meu coração”, conta Ben. Após a adoção, a filha consegue andar e comer, embora ele saiba que ela vai precisar de cuidados até o resto da vida. "Estou bastante orgulhoso de mim mesmo por ter mudado sua vida. Ver as mudanças nela é simplesmente excepcional”.

Leia também: Instagram dedicado a fotos de pais gays com filhos faz sucesso

Trabalho com adoção

Quando não está cuidado dos filhos, Ben trabalha para educar outros possíveis adotantes. "Celebro e promovo a ação de adotar. É a coisa mais gratificante, satisfatória e desafiadora que eu fiz na vida”, diz Ben. "Eu não vou suavizar porque adoção não é para os fracos. Você deve estar 100% comprometido. Se você está pensando em adotar, certifique-se de ter uma experiência com crianças. Se você ainda não tem filhos, certifique-se de que é certo para você” orienta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.