Tamanho do texto

Por meio do Ivan e de outros personagens, “A Força do Querer” conseguiu promover a discussão sobre os transgêneros em todo o Brasil

A novela da Rede Globo “A Força do Querer” chega ao fim nesta sexta-feira (20) e vai deixar os telespectadores com saudades. Ao abordar temas como a transição de gênero de Ivan, interpretado por Carol Duarte, a novela foi muito importante para que mais pessoas se informassem sobre a transexualidade e outras questões de gênero.

Leia também: O drama de Ivan representa a realidade da transexualidade? 

Já no clima de despedida da novela, o iGay conversou com especialistas e trans e fez uma lista com quatro acertos e quatro erros de “A Força do Querer” em relação aos transgêneros.

Acertos

1. Representatividade e quebra de estereótipos

Personagem de
Divulgação/Rede Globo
Personagem de "A Força do Querer" estimulou a conversa sobre transgêneros

Ter um personagem transgênero com tanto destaque em uma novela ajudar a dar visibilidade para pessoas trans que passam a se enxergar na tela e faz o assunto ser discutido com mais frequência. Para a psicóloga Sarah Lopes, isso é importante por fazer com que as famílias reflitam sobre o tema e não esperem que aconteça algum caso próximo para trazer esse assunto à tona. “Questões de gênero, preconceito, diferenças e igualdades devem ser temas sempre em voga na dinâmica familiar”, explicou a psicóloga em um papo com a reportagem em setembro.

Para Dante Olivier,  um homem trans que já contou sua história aqui no iGay, é muito importante falar sobre esse assunto em uma novela com alcance nacional como "A Força do Querer". “As pessoas têm imagens estereotipadas de indivíduos transgêneros e essa é uma grande oportunidade de desconstruir isso”, afirma.

2. Tarso Brant como consultor

Tarso Brant interpretou um amigo de Ivana em
Reprodução/GShow
Tarso Brant interpretou um amigo de Ivana em "A Força do Querer"

Para dar mais veracidade à novela e ao Ivan, a autora Glória Perez pediu uma consultoria do Tarso Brant, um homem transgênero. “Eu me senti honrado. Me identifiquei em várias cenas da Ivana, principalmente, quando ela bate nos seios”, disse Tarso ao site da novela. “Me emocionou demais porque passei por tudo aquilo”. Além disso, ele atuou na novela como amigo de Ivan e ajudou o personagem a perceber que era trans.

3. Relação com a família

A mãe demorou para aceitar Ivan
Reprodução/TV Globo
A mãe demorou para aceitar Ivan

Também de acordo com a psicóloga Sarah Lopes, mostrar a questão de Ivan com a família faz a trama ficar mais parecida com as dificuldades que as pessoas trans enfrentam. “Os conflitos são bem semelhantes em relação à resistência familiar, acentuado pela mãe da personagem”, afirmou a psicóloga ao iGay. Na trama, Joyce, que é mãe de Ivan, sentiu muita dificuldade em apoiar o filho e, apesar de amá-lo incondicionalmente, ela chegou até a afirmar que ele está tendo um surto psicótico.  

O pai de Ivan, Eugênio, também teve dificuldade em aceitar o gênero do filho. Mas, com o passar dos capítulos, o pai e a mãe começaram a aceitar o filho e apoiá-lo. “A partir do momento em que a personagem aceita a sua condição e tem o apoio dos pais e familiares, o conflito tende a abrandar”, disse Sarah. O cenário de repete na vida real. 

4. Atriz trans x Personagem cis

Maria Clara Spinelli, uma atriz transgênero está interpretando uma mulher cisgênero - aquela que se identifica com o seu gênero de nascimento - na novela, e foi elogiada pela também atriz trans Jamie Clayton, de Sense8. “Ter uma atriz que se identifica como trans na vida real e vive um personagem que não é trans é a direção na qual precisamos ir. Atuação é isso! Deixa a gente interpretar esses papéis, deixa a gente interpretar tudo”, elogiou Jamie à imprensa nacional. Na novela, Maria interpreta Mira, braço direito da vilã Irene.

Leia também: Tarso Brant estreia no 100º capítulo de novela 

Erros

1. Hormônios sem acompanhamento médico

Ivan começou a tomar testosterona em
Reprodução/GShow
Ivan começou a tomar testosterona em "A Força do Querer" sem acompanhamento

Quando Ivan decidiu que ia começar a tomar hormônios, ele cometeu um grande erro ao fazer isso sem o acompanhamento de profissionais. A prima dele na novela, Simone, alertou para o risco: “Mas tomar hormônio assim, sem um acompanhamento médico? Ivana! Isso tem de ser perigoso! Não!”.

Segundo a médica Ana Amorim em mais uma reportagem do iGay, a automedicação é altamente repreendida e uma série de profissionais deve ser envolvida para que a transição com a ajuda de hormônios ocorra de maneira segura. O primeiro passo, de acordo Ana, é sempre consultar um médico para conhecer os riscos e os efeitos dos hormônios. Além disso, diversos profissionais acompanham o paciente, como médicos, psicólogos, enfermeiros, fonoaudiólogos, nutricionistas, educadores físicos e assistentes sociais.

Leia também: Como os hormônios atuam no corpo de quem faz transição de gênero?

2. Rapidez na transição

Um dos desejos de Ivan, personagem de 'A Força do Querer', é fazer a barba. Com os hormônios, ele já apresenta pelos no rosto
Divulgação/TV Globo
Um dos desejos de Ivan, personagem de 'A Força do Querer', é fazer a barba. Com os hormônios, ele já apresenta pelos no rosto

Uma coisa que pode enganar o público de "A Força do Querer" é a velocidade com que as mudanças apareceram no corpo de Ivan após ele começar a tomar testosterona. Apesar de a novela não ter tempo de retratar o processo fielmente, é importante que as pessoas saibam que na vida real, a transição é bem mais demorada e as mudanças corporais não acontecem tão depressa.

Para Téodoro Azevedo,  um homem transgênero que já contou sua história aqui no iGay, levou cerca de cinco meses para perceber as primeiras mudanças. “É um processo demorado, não é algo do dia para a noite. Até cinco meses, o seu corpo está mais é se acostumando a receber aquilo”, explicou o jovem. Uma mudança foi a quantidade de pêlos no rosto que aumentou, assim como em Ivan, mas no caso do personagem foi bem mais rápido. Além disso, Téo ainda não reparou muita diferença na própria voz, enquanto a de Ivan começou a engrossar logo no início.

3. Mulher cis x Homem trans

Ivana e Ivan: Carol Duarte vive uma personagem que faz uso de hormônios e passa pela transição de gênero
Divulgação/TV Globo
Ivana e Ivan: Carol Duarte vive uma personagem que faz uso de hormônios e passa pela transição de gênero

Escalar uma mulher cisgênero para interpretar um homem trans não foi visto com bons olhos por todos. Umas das incomodadas com a situação foi a atriz Jaime Clayton. Apesar de ter elogiado a novela por ter escalado a atriz trans Maria Clara Spinelli para interpretar uma mulher cis, Jaime não concordou com a escalação de Carol Duarte para interpretar um homem transgênero. “Sei que mulher interpretando trans não é trans. Me pergunto se isso é, em partes, o porquê da reação positiva. Me pergunto como seria se ele [o intérprete] realmente fosse trans”.

Leia também: Como os hormônios atuam no corpo de quem faz transição de gênero?

4. Representação de travestis

Nonato é uma travesti em
Reprodução/Globo
Nonato é uma travesti em "A Força do Querer"

Em nota pública à autora Glória Perez, a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) apontou erros que a trama tem cometido ao retratar corretamente a personagem Nonato, uma travesti.  “Quando se refere a Travestis, a novela se perde numa profusão de diálogos e conceitos que não ajudam em nada essa população e acaba complicando ainda mais o trabalho que temos desenvolvido ao longo de anos, que é o de tirar o estigma que esse termo representa”, explicava a nota.

“Travestis e Mulheres Transexuais tem identidade de gênero feminina, homens Transexuais tem identidade de gênero masculina. Ou sejam não se reconhecem pertencentes ao gênero atribuído no nascimento.Travestis não representam uma coisa que ela não seja, ela não é um falsete como a novela mostra em alguns diálogos, especialmente quando é associada com a identidade gay, o que também não é correto, pois gay é uma identidade masculina”. 

Mas ainda com os erros, a associação reconhece que "A Força do Querer" foi importante por abordar o tema. "A novela em tela tem prestado um relevante serviço quando aborda a questão da transmasculinidade vivida pela personagem Ivan/Ivana, e tem prestado grande serviço de informação acerca da temática", disse a associação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.