Tamanho do texto

Com filho trans de 10 anos, Amber Briggle tem preocupações diferentes de outros pais em relação ao ambiente escolar e ao convívio com os colegas

Com a volta dos filhos para a escola, os pais começam a se preparar para as mudanças na rotina, e para Amber Briggle, uma mãe dos Estados Unidos, isso não é diferente. E Amber adiciona à lista de preocupações o fato de que seu filho é transgênero e ela não sabe como ele será tratado no ambiente escolar - e nem se ele poderá usar o banheiro masculino.

Leia também: Homem trans diz que não ficará “grávido” novamente por causa de dor no parto

Amber Briggle e o filho transgênero Max
Reprodução/Facebook/Amber Briggle
Amber Briggle e o filho transgênero Max

Desde os primeiros anos de idade, Max, filho de Amber, sempre deixou claro que se identificava como menino.  E agora que Max tem dez anos e se prepara para começar a quarta série, a mãe revela, em texto para o "Refinery29", quais são as questões que passam pela cabeça de alguém que tem um filho transgênero .  

Leia também: Aos 6 anos, criança tem apoio dos pais para fazer transição de gênero

Preocupações incomuns

De acordo com Amber, o filho está animado para ir para a escola, mas ela não se sente da mesma maneira. Ela fica preocupada, por exemplo, com o fato de a escola estar ou não preparada para receber uma criança trans. “Enquanto as outras famílias ficam preocupadas com cortes de cabelo, sapatos novos e mochilas para o primeiro dia de aula, pais como eu adicionam à lista de preocupações coisas como: ‘O professor do meu filho usará os pronomes corretos?’ E algo muito básico, "Será que meu filho pode usar o banheiro na escola?".

"Se Max for obrigado a ir ao banheiro feminino, é muito mais provável que ele segure o dia inteiro [...] ou diminua sua ingestão de alimentos e água durante todo o dia, o que muitas pessoas transgêneros fazem para não terem que usar banheiros públicos”, afirma a mãe.

Apesar de a escola de Max ter uma política para prevenir casos de bullying, ela não possui uma que proteja explicitamente as crianças transgêneros. Para tentar ajudar, a mãe conta que fez questão de conhecer os funcionários da escola que poderão apoiar seu filho quando for necessário.

Leia também: Com 12 anos, adolescente trans de MG tem o direito de bloquear puberdade

Para Amber, pais, professores e crianças cisgêneros - aquelas que se identificam com o gênero de nascimento - podem ser aliadas de seu filho transgênero e de outros alunos que passam pela mesma situação. “Tenho certeza de que todos gostaríamos de estar pensando em coisas divertidas - mas há muito trabalho a fazer antes disso”, diz a mãe.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.