Tamanho do texto

O futebol americano sempre foi o esporte preferido de Katie Sowers, que agora faz parte da comissão técnica do 49ers, time de São Francisco

A estadunidense Katie Sowers está fazendo história por ser a primeira mulher assumidamente lésbica a ser treinadora assistente na maior liga de futebol americano do mundo, a National Football League (NFL). Katie, que faz parte da comissão técnica do 49ers, time de São Francisco, está discutindo publicamente sua sexualidade para encorajar os outros a se sentirem confortáveis ​​a fazerem o mesmo.

Leia também: Esportes ajudam adolescente trans a enfrentar o ensino médio

Katie Sowers é a primeira mulher lésbica a treinar um time de futebol americano da NFL
Reprdoução/Facebook/Katie Sowers
Katie Sowers é a primeira mulher lésbica a treinar um time de futebol americano da NFL

O futebol americano sempre foi o esporte preferido de Katie. “No entanto, comecei a perceber o quanto meninos com quem cresci jogando futebol no quintal ficaram maiores comparados comigo”, afirma Kattie a site "OutSports". 

Leia também: Bailarina trans relata dificuldades em seguir a paixão pela dança

Katie começou a jogar na liga feminina de futebol e depois foi para seleção dos Estados Unidos. Anos depois, ela se tornou a conselheira da USA Football e gerente geral do Kansas City Titans, equipe em que ela joga na liga feminina. Em 2016, ela se aproximou da NFL ao ajudar nas táticas de jogo do Atlanta Falcons. Foi lá que ela conheceu Kyle Shanahan, atual técnico dos 49ers e que a convidou para ser treinadora assistente do time.

Orientação sexual

Para a treinadora, existem outras pessoas LGBT na NFL e em outros empregos que não se sentem confortáveis em falar ao público sobre sua orientação sexual. “Não importa o que você faça da vida, a coisa mais importante é ser verdadeiro com quem você é”, afirma Katie. "Quanto mais criarmos um ambiente favorável para todas as pessoas, mais podemos ajudar a acabar com a dor e o fardo que carregamos todos os dias”.

Leia também: Pesquisa mostra que ansiedade é mais frequente em pessoas LGBT

Katie também é a segunda mulher a ocupar a essa função na liga de futebol americano dos Estados Unidos, depois de Kathryn Smith, que esteve na comissão técnica do Buffalo Bills em 2016. “Pode ser um pouco diferente para eles porque eles não estão acostumados com uma mulher nesse papel, mas todos esses homens foram ensinados por mulheres em algum momento de sua vida”, afirma Katie. “Eles são respeitosos e me chamam de treinadora. Eles me respeitam por seguir minha paixão, assim como estão seguindo a deles”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.