Tamanho do texto

Para Zecarlos Gomes, além de fazer performances, uma drag queen tem o poder de iniciar diálogos sobre orientação sexual e identidade de gênero

Ser uma drag queen é muito mais do que usar roupas chamativas, uma maquiagem poderosa e um salto alto gigantesco durante shows. Com um grande talento para performar, as drags chamam atenção e conseguem usar a comédia para iniciar diálogos sobre questões ligadas à orientação sexual e identidade de gênero. 

Leia também: Mãe e filho fazem maquiagem de drag juntos e fotos causam polêmica

Como professor de cultura drag queen , Zecarlos Gomes afirma que as drags possuem um grande papel político, e ele tenta passar isso para os seus alunos durante suas aulas. “A drag tem um poder muito forte na comédia e as pessoas param para olhar quando elas chegam em algum lugar. Isso dá a elas um poder para começar o diálogo e orientar outras pessoas”, afirma Zecarlos. “Parte do preconceito vem pela falta de conhecimento e informação. Por meio da arte, as drags podem transformar isso”.

Alunos de Zecarlos aprendem que ser drag queen não é apenas só se montar
Divulgação/Fabio Rodrigues
Alunos de Zecarlos aprendem que ser drag queen não é apenas só se montar


Leia também: Conheça Monty Thomas, primeira modelo drag da Austrália

Durante as aulas, Zecarlos também busca desmistificar a ideia de que ser drag está necessariamente associado à transexualidade e que por se montar a pessoa deseja mudar de gênero ou tem a sua orientação sexual modificada. “A drag é uma artista que não tem ligação com orientação sexual”, ele explica. “Algumas mulheres transgêneros se reconhecem através do processo de se montar, mas isso não está necessariamente ligado com ser drag”.

O curso

Para explicar melhor questões ligadas à drags, Zecarlos, que também é ator e produtor, ministra o curso “Drag Queen – Processo de Construção de Personagem” no Sesc Ipiranga, entre 8 de agosto e 28 de setembro. Existindo desde 2010, o curso já teve mais de 280 alunos, sendo a maioria homens cisgêneros homossexuais (homens que se identificam com o gênero de nascimento e gostam de outros homens). 

Leia também: "Estou renascendo das cinzas, como uma fênix", conta a drag Paulette Pink

De acordo com Zecarlos, o curso é como um “provocador” que oferece técnicas para que os alunos consigam criar a sua própria identidade como drag queen.  Durante as aulas, eles ainda irão aprender a fazer suas próprias coreografias para suas performances e como eles devem se montar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.