Tamanho do texto

O recém-casado Jahed tem medo que o seu casamento com um homem branco e católico seja visto como um insulto para sua religião

“Eu amo Sean e sou muito feliz por ter me  casado com ele”, afirma Jahed Choudhury, um muçulmano de 24 anos. “Mas se alguém me oferecesse uma cura para a homossexualidade, eu tomaria em um instante. Faria qualquer coisa para não ter nascido gay”, também afirma o recém-casado. 

Leia também: Em discurso emocionante na igreja, menina de 12 anos assume ser lésbica

O recém-casado Jahed, à direita, tem medo de o seu casamento ser visto como um insulto para sua religião
Reprodução/Daily Mail
O recém-casado Jahed, à direita, tem medo de o seu casamento ser visto como um insulto para sua religião

A segunda frase é, provavelmente, a última coisa que você esperaria ouvir de um homem recém-casado . Mas, por não ser aceito em sua religião, Jahed ainda enfrenta muitos conflitos com sua sexualidade.

Jahed e Sean Rogan, um homem católico, se casaram utilizando trajes característicos do Islamismo. Na ocasião, Jahed disse que estava orgulhoso de poder "mostrar ao mundo inteiro que você pode ser gay e muçulmano". Mas, em entrevista ao "Daily Mail", ele revela que a alegria de poder caminhar de mãos dadas na lua de mel na Espanha com seu marido - sem o julgamento das pessoas - está começando a parecer uma lembrança distante.

A felicidade do casal foi substituída pelo medo de que seu casamento seja percebido como um insulto deliberado à fé islâmica e à comunidade muçulmana. Além disso, ele diz que já recebeu ameaças de morte nas redes sociais.

Leia também: Como pais podem apoiar os filhos quando eles se assumem homossexuais?

"Nós mantivemos nosso casamento em segredo porque eu estava com medo de sermos alvo no dia da união", diz Jahed. "Por muitos anos eu não consegui sair de minha casa sem que alguém cuspisse na minha cara por ser gay”. Agora, ele está preocupado que seja ainda pior por ter se casado com um homem branco católico.

A relação com o Islamismo

Mesmo sofrendo com o preconceito, Jahed ainda segue fortemente a religião. "Eu sou muçulmano e gay, e a única maneira de lidar com os dois é dividi-los em minha mente”, afirma. "Eu ainda tenho minha fé e rezo cinco vezes por dia, mas entendo que alguns muçulmanos nunca aceitarão a homossexualidade”.

Leia também: Malásia pode permitir tratamentos de “cura LGBT” em hospitais

Apesar de não conhecer outros muçulmanos gays, Jahed não acredita ser o único em sua comunidade. "Esse assunto simplesmente não é discutido, então, mesmo que apenas um jovem homossexual leia isso, não só da fé muçulmana, mas de qualquer fé, espero que o ajude a saber que ele não está sozinho", afirma o recém-casado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.