Tamanho do texto

Com muitas semelhanças com a realidade, a questão da transexualidade da personagem Ivana estimula a discussão sobre indivíduos transgêneros

A personagem Ivana, interpretada pela atriz Carol Duarte na novela da Rede Globo “A Força do Querer”, está levando a questão dos transgêneros para todo o Brasil. Na trama, Ivana está tendo conflitos emocionais por não se identificar com seu gênero e com os aspectos femininos de seu corpo. Além disso, a personagem sofre por não ter a compreensão da mãe ou da família.

Leia também: Homem trans fala sobre aceitação e transição de gênero

Personagem Ivana está estimulando a conversão sobre transgêneros
Divulgação/Rede Globo
Personagem Ivana está estimulando a conversão sobre transgêneros

De acordo com Sarah Lopes, psicóloga do Hapvida Saúde, indivíduos transgêneros são aqueles que não se identificam com o gênero que nasceram e se sentem incomodados, achando que estão no corpo errado.  “Essa descoberta é geralmente confusa, isso porque nem mesmo o próprio sujeito possui clareza no que sente. Existe uma sensação de inadequação em relação ao corpo e a forma de pensar”, explica a psicóloga. É exatamente isso que vive Ivana. 

Para Sarah, a principal dificuldade que pessoas trans enfrentam é a aceitação e falta de apoio dos pais, que muitas vezes não entendem o que os filhos estão passando. Os pais precisam se esforçar para compreender o que está acontecendo. “Não é tarefa fácil, mas é possível”, afirma Sarah. Mas eles também precisam tomar cuidado para não serem invasivos e reprimirem os filhos. “Inicialmente, os pais devem estar de ouvidos atentos para a fala dos filhos. Mesmo com muitos artigos e assuntos sobre o tema, ainda é um assunto polêmico e novo”, explica a psicóloga.

Leia também: Após gravidez como mulher, homem trans engravida de novo e se diz mais feliz

Na trama da Rede Globo, Ivana sofre por não ser compreendida pela mãe Joyce, interpretada por Maria Fernanda Cândido. Para a mãe, todas as questões de Ivana seriam resolvida se a filha aceitasse mais o seu “lado feminino” e passasse a usar itens como batons e vestidos.

Segundo a psicóloga, essa questão com a família deixa a personagem ainda mais fiel à realidade de pessoas trans. “Os conflitos são bem semelhantes em relação à resistência familiar, acentuado pela mãe da personagem”, afirma Sarah. “A partir do momento em que a personagem aceitar a sua condição e tiver o apoio dos pais e familiares, seu conflito tende a abrandar”.

Além dos pais, as escolas e a sociedade em geral não estão preparadas para lidar com pessoas trans, o que acaba gerando um sentimento de culpa em crianças e adolescentes trans que se sentem incompreendidos. “As pessoas trans não desejam se sentir assim e, às vezes, não sabem como se expressar ou explicar o que sentem”, afirma a psicóloga.

Leia também: Universidades dos EUA colocam absorventes em banheiros masculinos

Representatividade nas novelas

Com bastante didática, a novela “A Força do Querer” tem explicado a questão da identidade de gênero  para grande parte dos brasileiros.  Para Sarah, isso é importante por fazer com que as famílias reflitam sobre o tema e não esperem que aconteça algum caso próximo para trazer esse assunto à tona. “Questões de gênero, preconceito, diferenças e igualdades devem ser temas sempre em voga na dinâmica familiar”, explica a psicóloga.

Para Dante Olivier, um homem trans que já contou sua história aqui no iGay , é muito importante falar sobre esse assunto em uma novela com alcance nacional. “As pessoas têm imagens estereotipadas de indivíduos transgêneros e essa é uma grande oportunidade de desconstruir isso”, afirma.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.