Tamanho do texto

Angela Merkel, chanceler da Alemanha, foi contra projeto de casamento gay

Nesta sexta-feira (30), o Parlamento da Alemanha aprovou um projeto de lei que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Apesar de Angela Merkel , chanceler do país ter votado contra a aprovação, ela permitiu que os deputados de seu partido conservador, União Democrata Cristã (CDU), votassem de acordo com sua consciência e sem uma determinação partidária.

Leia também: Pesquisa revela que 21% dos britânicos recusariam convite para casamento gay

Parlamento da Alemanha aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo
shutterstock
Parlamento da Alemanha aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo

O projeto estabelece que, a partir de agora, o matrimônio pode acontecer entre "duas pessoas de sexo diferente ou do mesmo sexo". A nova lei precisa ser ratificada pela Câmara Alta do Parlamento da Alemanha para entrar em vigor, o que deve acontecer até o final de 2017. Caso isso aconteça, os casais homoafetivos terão direito à adoção no país.

Segundo a agência de notícias Agence France-Presse (AFP), 393 deputados votaram a favor do projeto de lei. Eles são integrantes de três partidos de esquerda representados na Câmara Baixa do Parlamento e da ala conservadora de Angela Merkel. Entre os deputados conservadores, 226 votaram contra o projeto, incluindo a chanceler.

Leia também: Justiça de Taiwan é a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo

Para Merkel, o casamento é, segundo a Constituição do país, uma união entre um homem e uma mulher. Mas, ao ver o resultado da votação, ela não se mostrou infeliz. "Espero que o voto de hoje mostre não apenas o respeito mútuo por diferentes opiniões, mas também que isso leva a mais paz e a mais coesão social", afirmou Merkel.

União homoafetiva na Alemanha

Em 2001,  Berlim aprovou a união civil entre pessoas do mesmo sexo, que concede alguns direitos a casais homoafetivos. Apesar disso, esses casais ainda não têm vantagens fiscais, como a herança em caso de morte de um dos parceiros. À respeito da adoção, a justiça determinou em 2014 que é permitido adotar os filhos já adotados pelo companheiro ou companheira se o casal estiver registrado em cartório como união estável.

Leia também: Casamento entre três homens é legalmente reconhecido na Colômbia

Se a nova lei for aprovada, a Alemanha fará parte do grupo de 20 países ocidentais, entre eles 13 europeus, que já legalizaram o casamento homoafetivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.