Tamanho do texto

Estudantes estão utilizando a hashtag #BatomPodeHomofobiaNAO no Twitter para apoiar aluno que foi para a escola usando batom vermelho

A hashtag #BatomPodeHomofobiaNAO se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter nesta quinta-feira (01). Estudantes estão utilizando a hashtag como forma de apoio a um aluno do Sistema Elite de Ensino, em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, que disse ter sido repreendido por ter ido à aula usando um batom vermelho na quarta-feira.

Leia também: Estudante gay faz protesto contra homofobia durante formatura no ITA

Estudantes foram de batom vermelho para mostrar apoio a aluno
Reprodução/Twitter/robyndomingues
Estudantes foram de batom vermelho para mostrar apoio a aluno

Após o ocorrido, dezenas de estudantes do colégio se juntaram em um protesto, usaram batom vermelho para ir à escola nesta quinta e criaram a hashtag que foi o segundo assunto mais comentado no Twitter no Brasil.

Ato no Twitter



Entenda o caso

Em seu Facebook, Diego Archanjo, o aluno que foi para a escola de batom vermelho, relatou o ocorrido. “Hoje eu fui chamado na coordenação da minha escola e orientado a não usar mais o batom porque ele não pode ser usado dentro da escola”. De acordo com Diego, a coordenadora disse que era uma medida para evitar algum tipo de preconceito.

Leia também: Estudante trans é coroado “rei do baile” em festa da escola

O estudante afirmou não entender a preocupação da coordenadora, afinal outros alunos também usam maquiagem e nunca tiveram problemas. Além disso, ele também não entende o porquê de ser orientado a não atrair a opressão ao invés de orientarem o opressor a não oprimir.

Apesar de não concordar com o ocorrido, o estudante quis esclarecer que a coordenadora mostrou uma preocupação com ele e que não foi grosseira. “Ela é vítima desse machismo tanto quanto nós. Ela se preocupou comigo e com a minha segurança, apenas foi da maneira errada”. A publicação provocou centenas de reações no Facebook.

O estudante também fez um vídeo para o Twitter sobre o ocorrido: 

Leia também: Nove problemas que alunos homossexuais enfrentam na escola

Posicionamento da instituição

Em nota ao iGay, a instituição comentou o ato dos estudantes. “O Sistema Elite de Ensino esclarece que já apurou internamente o mal entendido ocorrido com um aluno em uma de suas unidades. Conforme esclarecido pelo próprio aluno em um vídeo nas redes sociais, em nenhum momento houve atitude discriminatória da escola”, afirma a instituição. “Os princípios e valores do Elite, nos quais se embasa não só nossa proposta educativa mas também inspiram nossos modos de ser escola e nossos educadores, preza pelo acolhimento à diversidade e respeito ao ser humano. ‘O batom é livre para todos’!”, finaliza a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.