Tamanho do texto

Modelo deu o que falar ao desfilar em um mesmo evento com trajes masculinos e femininos. Ele diz que quer provar que ser drag é ser diverso

Monty Thomas conta que sofreu intimidações quando era criança e adolescente por suas características femininas. Entretanto, esses traços agora ajudaram Monty, que sonha ser primeiro modelo drag queen da Austrália, a já começar a fazer história. Ele virou notícia depois de, em um mesmo evento, desfilar com trajes femininos e masculinos. 

Leia também: Talulah-Eve Brown é a primeira concorrente trans do Britain’s Next Top Model

O modelo Monty desfilou como Jess Whoo, sua personalidade drag queen
Reprodução/Instagram/montythemonstar
O modelo Monty desfilou como Jess Whoo, sua personalidade drag queen

Monty diz que encarou uma jornada difícil até aqui e que nunca se sentiu aceito em sua pequena cidade, Noosa, e nem esperava ser modelo . "Era uma criança muito feminina e as pessoas diziam que eu parecia uma menina”, lembra ele ao jornal "Daily Mail" da Austrália. "Eu era duramente intimidado na escola, era o pior ambiente para mim em termos de ser eu mesmo."

Ele ainda afirma que em pequenas cidades as pessoas têm mentes pequenas. “Não digo isso como um insulto, mas quando você mora em uma cidadezinha, não consegue ver coisas diferentes”, explica Monty. "Eu estava fazendo algo diferente e, em vez de elogiar minha individualidade, ela foi derrubada”.

Ajuda na dança

Monty, agora com 26 anos, foi capaz de encontrar uma fuga da crueldade através da dança e das artes, dedicando-se a aulas de balé, sapateado, jazz, teatro contemporâneo e musical. A dança, assim como seu grupo de amigos próximos da igreja, eram suas zonas de conforto. "Com a dança, eu podia ser eu mesmo", diz ele.

“Geralmente eu era o único rapaz da turma, mas não importava. Desde que você esteja fazendo a mesma coisa com todas as meninas, você não é realmente discriminado”, conta Monty.  Na verdade, dentro do estúdio de dança, era exatamente o oposto e Monty muitas vezes tinha que ser a estrela. "Ser o único garoto significava que eu tinha que ser o centro das atenções".

Carreira como drag queen

Com esse contato com a dança e com as artes, Monty descobriu uma nova possibilidade: se apresentar como drag queen . Ele já faz esse trabalho há nove anos. 

Leia também: Ativista cria primeira agência para transgêneros e transexuais da Índia

Monty como Jess Whoo
Reprodução/Instagram/montythemonstar
Monty como Jess Whoo

Com essa nova arte, ele conta que se viu em um impasse. Geralmente, as drags tem uma ligação muito forte com a comédia e Monty não se via nesse universo. "Não quero ser engraçado, quero ser bonito", diz ao jornal. Então, passou a montar a sua drag de diversas formas, às vezes explorando o belo e o etéreo e outras, o andrógino e o sujo. Seu conceito é sempre inspirado por um sentimento, quer seja empoderamento ou tristeza.

Carreira de modelo masculino e feminino

E agora Monty está esperando para levar seu trabalho para grandes palcos, especificamente aqueles com passarela. Monty teve sua primeira experiência de modelagem em outubro de 2016, quando ele se tornou a primeira drag queen em Queensland a participar de um desfile de moda.

Ele foi convidado para desfilar no “Sunshine Coast Fashion Festival” após ter ganhado um prêmio de estilo. O convite para desfilar com trajes masculinos, mas depois de mandar fotos para a organização do evento como drag, foi convidado a também apresentar peças femininas.  

Monty conta que experiência de caminhar pela passarela como seu drag persona foi inesquecível. "A resposta foi realmente incrível. Geralmente, há um pouco de aplausos, mas fui aplaudido quando entrei e quando sai”, diz ele."Foi bom olhar para o lado e ter aceitação e ver as pessoas celebrando meu trabalho."

Leia também: A trans Valentina Sampaio  é aposta nacional nas passarelas

Depois desse show, Monty percebeu quão influente poderia ser na indústria da moda e decidiu que queria se tornar o primeiro supermodelo drag queen da Austrália. Agora ele está trabalhando para transformar esse sonho em realidade e passou os últimos cinco meses construindo um portfólio para mostrar à agências.

Ele espera mostrar o quão poderoso um modelo diverso pode ser na indústria da moda, e provar que eles podem modelar qualquer coisa e vender produtos para qualquer um. "Drag é diverso e progressivo e pode ser apresentado de maneiras elaboradas e subestimadas”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.