Tamanho do texto

Kaká di Polly é drag queen há 37 anos e modelo para as que estão começando

Desde os 14 anos, Kaká di Polly já gostava de se vestir como uma figura meio exagerada. Drag queen há 37 anos, ela é uma referência da noite gay paulistana e inspiração para outras drags que estão começando agora. Além disso, ela foi fundamental para a primeira Parada SP, em 1997.

Leia também: Conheça Lizz Camargo, crossdresser da Hebe Camargo

Kaká di Polly é drag queen há 37 anos
Reprodução/Blog Kaká di Polly
Kaká di Polly é drag queen há 37 anos

A primeira vez que ela se vestiu como drag queen foi para o aniversário de um amigo. “Foi uma montagem bem inusitada de viúva com as roupas da minha mãe”, conta Kaká em entrevista ao iGay. Quando chegou à festa, ela estacionou perto de uma igreja e tinha um padre saindo bem no momento. “Quando ele me viu, achei que ele fosse me exorcizar. Então joguei o lenço na cabeça e passei por ele fingindo que estava chorando. Ele acreditou que tinha perdido alguém e me consolou”, conta Kaká. 

Ao chegar ao local da festa, Kaká contou a história e todos deram muita risada. “Daí em diante, peguei um gosto e decidi me montar sempre que tivesse uma festa”. Na semana seguinte, ela saiu para comprar roupas, maquiagem, cílios postiços e tudo o que ela fosse precisar. Então, se tornou rotina de Kaká ir para festas com outras amigas drags e começar a fazer apresentações. “Eram noites maravilhosas, de glamour, e que tinham festas incríveis”.

Leia também: "Foi difícil me aceitar como uma mulher transexual", revela Viviany Beleboni

Atualmente, para ir em eventos mais simples, Kaká leva duas horas para conseguir se montar e faz a própria maquiagem.  Quando ela é convidada para grandes festas em que será homenageada, ela contrata um maquiador profissional que a ajuda a ficar pronta. 

Apesar de ainda fazer shows, Kaká decidiu parar de se apresentar em boates de São Paulo. “Eu não faço mais porque o cachê é muito baixo e nem vale a pena se maquiar”. De acordo com ela, as festas pagam cachê de R$300 para as melhores drag queens e R$150 para as que estão começando. “Não saio de casa por um cachê miserável”, afirma Kaká, que só aceita pagamentos acima de R$500. Entranto, quando se trata de uma apresentação por uma causa beneficente, Kaká faz shows sem cobrar.

Parada SP

Kaká é uma figura importante na Parada SP e na primeira edição, em 1997, ela foi responsável por ajudar o movimento acontecer. Ao perceber que os policiais estavam bloqueando a parada por ter gente demais, ela fingiu que desmaiou para segurar o trânsito e ajudar a parada acontecer. “Por causa disso, eu fiquei conhecida como ‘Madrinha de Honra’ da Parada”.

Leia também: "Estou renascendo das cinzas, como uma fênix", conta Paulette Pink

Aos 58 anos e com problemas na coluna, Kaká não consegue mais andar durante todo o percurso da parada como estava acostumada a fazer. Por causa disso, ela está tentando ficar em cima de um dos carros que desfilam para não perder o evento, mas ainda não obteve resposta. “Se eu não conseguir ficar em um carro esse ano, eu não vou na parada”, afirma a drag queen. A Parada esse ano está marcada para o dia 18 de junho. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.