Tamanho do texto

Casal foi separado de seus filhos durante vôo nos Estados Unidos; veja o caso

Um casal gay da Flórida diz que foi discriminado por uma companhia aérea depois de ter negado o acesso ao pré-embarque como uma família. Grant Morse e o marido estavam voando de Buffalo, Nova York, para Ft. Lauderdale, na Flórida, no fim de semana com seus três filhos quando o episódio aconteceu.

Leia também: Em transição em família, pai e filha contam como é ser transgênero

O casal e os filhos não puderam ficar juntos durante vôo
Reprodução/Facebook/Grant Morse
O casal e os filhos não puderam ficar juntos durante vôo

De acordo com Grant Morse, um agente de embarque da Southwest Airlines e um supervisor recusaram-se a permitir que o casal e os filhos utilizassem o embarque da família das companhias aéreas e disseram que só um dos pais poderia embarcar com os três filhos. Em entrevista ao canal de notícias norte-americano “WKBW”, o pai disse que ele voou com a companhia muitas vezes e nunca teve quaisquer problemas anteriores com o embarque familiar.

Leia também: Como pais podem apoiar os filhos quando eles se assumem homossexuais?

Como resultado, a família diz que foi forçada a ser separada no avião. A filha de 5 anos acabou sentada em uma fila sozinha entre dois estranhos. Grant Morse foi para a última fila com os gêmeos e seu cônjuge ficou duas fileiras à frente. Eles ainda estavam a avó das crianças, de 83 anos, que foi acomodada perto uma saída de emergência. 

Morse disse que o que o chateou foi ver outra família (homem, mulher e criança) entrar no avião durante o embarque familiar, enquanto sua família não pôde fazer o mesmo. "Eu me senti como um criminoso e fui humilhado", disse o empresário, que acredita que a Southwest Airlines precisa resolver o problema com seus funcionários.

Leia também: Filhos contam sobre como é ter um pai gay

Resposta da empresa

Segundo nota da companhia aérea publicada pelo “WKBW”, a empresa afirma que não houve discriminação com o casal e que quem não poderia embarcar era a avó das crianças. “Nosso agente de operações informou aos dois pais que outro membro de seu grupo era inelegível para embarcar no Embarque de Família e pedimos que ela usasse seu grupo de embarque atribuído. Esta conversa na área de embarque não teve nada a ver com discriminação. Saudamos ambos os pais para embarcarem no avião com seus filhos”, dizia a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.