Tamanho do texto

Grupo queria chamar atenção à perseguição a pessoas LGBT na Chechênia

A polícia russa prendeu ao menos 17 pessoas que faziam um protesto contra a perseguição de homossexuais na Chechênia. De acordo com jornais locais, o ato ocorreu nesta segunda-feira (1) em São Petersburgo.

Leia também: Jovem é enganada pelo pai por ser lésbica e acaba sendo presa com a namorada

Em protesto a favor dos direitos dos homossexuais, grupo deitou no chão com tinta vermelha imitando sangue
Facebook/Marla Mia/Reprodução 01.05.2017
Em protesto a favor dos direitos dos homossexuais, grupo deitou no chão com tinta vermelha imitando sangue

Os manifestantes estavam deitados no chão, manchados de tinta vermelha, que representava sangue, e cobertos por bandeiras com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT. O protesto chamava atenção para as detenções de homossexuais na Chechênia.

O portal de notícias Novoya Gazeta denunciou no início de abril a criação de um campo de concentração para pessoas LGBT na Chechênia , onde as pessoas são torturadas com choques elétricos e espancadas até a morte. O porta-voz de Razman Kadyrov, presidente da Chechênia, negou tudo para a agência de notícia Interfax. Entretanto, ele afirmou que não existem homossexuais na região.

Leia também: Marido se revela mulher trans, esposa aceita e as duas continuam morando juntas

"Você não pode prender ou reprimir pessoas que simplesmente não existem na República. Se essas pessoas existiam na Chechênia, a polícia não teria que se preocupar com elas, porque seus próprios parentes os teriam mandado para onde nunca poderiam retornar", disse Alvi Karimov.

Segundo o Novoya Gazeta, mais de 100 homens foram secretamente detidos nas últimas semanas apenas por serem gays. Ao menos quatro podem ter sido mortos.

O presidente Razman Kadyrov, que é um aliado fundamental de Vladimir Putin, supostamente ordenou a repressão, embora oficialmente seu regime tenha negado as detenções. Kadyrov já foi acusado de violações de direitos humanos anteriormente.

Protesto

Grupo de manifestantes ficou sete horas e meia preso por desordem pública durante o desfile do Dia do Trabalho
Facebook/Marla Mia/Reprodução 01.05.2017
Grupo de manifestantes ficou sete horas e meia preso por desordem pública durante o desfile do Dia do Trabalho

Uma fonte da polícia afirmou para a agência de notícias AFP que foram detidas pessoas que provocaram desordens públicas durante o desfile do Dia do Trabalho, celebrado nesta segunda-feira. Um dos manifestantes precisou de atendimento médico após desmaiar.

Leia também: Protesto na Praia de Copacabana lembra a morte de 144 pessoas trans no País

Marla Mai, uma das manifestantes presas nesta manhã durante o protesto a favor dos homossexuais escreveu em sua página no Facebook que já foi solta com o seu grupo, após sete horas e meia de detenção.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.