Tamanho do texto

Experimento em vídeo mostra pessoas defendendo mulher transgênera

A página do Facebook “Quebrando o Tabu” fez uma parceria com Irina Talbot e Felippe Canale  do “Eaí?¿” para realizar um experimento social em vídeo. Ambientado em São Paulo, o objetivo era ver quais seriam as reações das pessoas diante de um caso de transfobia, ao presenciarem a cena de uma mulher transexual sendo vítima de preconceito.

Leia também: Gays tocam vagina pela primeira vez em "experimento sexual"

Vídeo com cenas de transfobia em São Paulo
Reprodução
Vídeo com cenas de transfobia em São Paulo


Felipe, que interpreta o agressor, aparece dizendo coisas como “Você está incomodando as pessoas”, “Sai daqui, oh traveca” e “Você acha certo ter travesti durante o dia na rua?”. Apesar de algumas pessoas defenderem a mulher trans, ainda aparecem pessoas que não se envolvem na discussão ou até mesmo que concordam com as ofensas e a transfobia . O vídeo já tem mais de 13 milhões de visualizações e mais de 230 mil compartilhamentos.

Leia também: Internautas participam de campanha contra violência contra trans nas redes sociais

A jovem Amanda Almeida é uma das pessoas que aparece nas imagens, defendendo a transexual e confrontando o agressor. Ela diz que “se mexeu com ela, mexeu com todo mundo aqui”. Na publicação da página no Facebook, Amanda comenta: "Mano, quase que eu bato nesse cara!Que ódio eu fiquei esse dia!!'"

Irina Talbot, a mulher trans que aparece sendo ofendida no experimento, também comenta a publicação. “Parece que não, mas nesse dia chorei muito ao gravar. Fiquei realmente mal. Sofro muito preconceito e agressões todos os dias”, diz ela. “Especialmente porque, isso que vimos no vídeo acontece todos os dias com milhares de pessoas. Não precisa fazer 'ponto ou programa' pra ser alvo, como alguns disseram aí. Basta existir.”

“Eu só digo que, se as pessoas rotulassem menos, se houvesse mais empatia e respeito, este mundo seria muito melhor. Houve ,sim, nesse experimento, quem apoiasse o 'agressor'. Só foi cortado a cena, por solicitação da pessoa. E houve quem defendeu. Acho que precisamos de mais 'Amandas', e de mais pessoas como ela”, também comenta Irina na publicação.

Leia também: Elenco de novela e famosos entram na luta contra a homofobia

Assista o experimento completo abaixo:

O vídeo ainda lembra uma história recente e marcante. A produção mostra outro caso de transfobia, de algumas cenas da violência contra Dandara, travesti que foi espancada e morta aos 42 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.