Tamanho do texto

Norma Coeli fez post emocionado no Facebook sobre como enfrentou próprio preconceito para aceitar seu filho José Bernardo; conteúdo foi removido após denúncia e, após contato da BBC Brasil, voltou ao ar

Norma Coeli e seu filho transgênero, José Bernardo
Reprodução/Facebook
Norma Coeli e seu filho transgênero, José Bernardo

Quando criança, a cada vez que José Bernardo trocava o vestido pela bermuda e saía para brincar na vizinhança, sua mãe, a investigadora de polícia paraense Norma Coeli, ouvia do então marido: 'Como você deixa a Letícia andar assim? Ela está parecendo um homenzinho".

O casal transgênero em que o pai deu à luz um menino

José Bernardo, hoje com 18 anos, foi batizado de Letícia. Mas nunca se identificou com atividades que os outros diziam ser "de meninas". Preferia o cabelo curto aos longos cachos. Os esportes com bola às bonecas. E detestava as aulas de balé.

Já adolescente, disse à mãe que era lésbica. E, pouco tempo depois, tomou coragem para se afirmar como transgênero (quando a pessoa não se identifica com o gênero designado no nascimento).

A aceitação dos pais, no entanto, não foi imediata.

"Sempre soube que meu filho não era uma menininha. Mas escondi isso de mim mesma o quanto pude. Muitos lacinhos, babados e o lindo mundo cor-de-rosa", conta Norma em entrevista por telefone à BBC Brasil.

"Na verdade, eu apenas torturei minha "garotinha" por anos a fio! Essa é a mais pura verdade", acrescenta.

Em um post emocionado publicado em sua página pessoal no Facebook na quarta-feira passada, Norma desabafou sobre como enfrentou o próprio preconceito para aceitar o filho. O relato, que veio acompanhado de uma foto da carteira de identidade social de José Bernardo, rapidamente viralizou nas redes sociais, com milhares de curtidas e compartilhamentos.

"Foi libertador para nós dois. Sempre fui seu ombro amigo. Ouvia suas angústias e seus problemas. Mas eu tinha medo do que podia acontecer com ele. E talvez isso explique por que eu custava tanto a aceitar que meu filho era diferente dos outros", assinala.

"Meu ex-marido (Norma separou-se há três anos depois de permanecer quase duas décadas casada) e o irmão dele, mais velho, também o apoiaram bastante. Somos bastante unidos e uma família feliz. Aqui não existe preconceito", acrescenta.

Ruptura entre PCC e Comando Vermelho pode gerar 'carnificina', diz pesquisadora

O silencioso e inquietante crescimento de grupos racistas e xenófobos no Canadá

Cientistas dizem ter criado ratos a partir de óvulos feitos em laboratório

Repercussão

Norma conta ter decidido escrever o post sobre José Bernardo ─ que escolheu o nome em homenagem ao avô ─ para "informar" a família.

"Mas a repercussão foi muito maior do que imaginava. Foi um alívio e um susto. Mas, para além das curtidas e compartilhamentos, o mais importante foi que o post me propiciou ter contato com centenas de pessoas que passam por uma situação semelhante", avalia.

"Há vários Josés Bernardos no Brasil. Infelizmente, nem todos são aceitos como eu aceitei meu filho. Fiquei muito comovida ao receber tantos relatos de homossexuais e transgêneros que me confidenciaram que não têm o apoio da família. Um sofrimento sem fim", lamenta.

Em muitos casos, contudo, a não-aceitação termina em violência. Segundo dados da ONG Transgender Europe, o Brasil é o país que mais mata travestis e transgêneros no mundo, seguido do México, Colômbia, Venezuela e Honduras.

José Bernardo tem carteira de identidade social emitida pelo Estado do Pará
Arquivo pessoal
José Bernardo tem carteira de identidade social emitida pelo Estado do Pará

De 1º de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2015, foram 802 mortes em todo o território nacional. No mesmo período, 2.016 transgêneros foram mortos em 65 países do mundo.

"Felizmente, nunca fui agredido, apesar de já ter recebido olhares estranhos na rua e ouvido comentários negativos a meu respeito", diz José Bernardo à BBC Brasil.

Diante do alto número de casos de violência, uma medida em vigor em alguns Estados brasileiros vem sendo louvada como importante ferramenta no combate ao preconceito.

Desde 2014, o Pará é uma das unidades da Federação que permite a emissão de identidade social a travestis e transsexuais. Ao todo, já foram entregues 270 documentos, principalmente em Belém, segundo o governo.

"Para mim, foi libertador. É como se eu pudesse responder por alguém que eu sempre fui", acrescenta José Bernardo.

'Fora do ar'

Em meio à tamanha repercussão positiva, Norma foi surpreendida com a retirada do post do ar dias depois de publicá-lo. Ela chegou a repostá-lo, mas o conteúdo novamente foi apagado.

Procurado pela BBC Brasil, o Facebook informou que os posts de Norma violaram as regras de comunidade da rede social por causa da foto da carteira de identidade social de José Bernardo, na qual seus detalhes pessoais aparecem visíveis.

Segundo a empresa, nenhum conteúdo é removido "proativamente" e, quando isso ocorre, resulta de uma denúncia.

O Facebook acrescentou ainda que os dois posts de Norma seriam republicados, sem a foto.

"Manter a segurança das pessoas é a maior responsabilidade do Facebook, e por isso desenvolvemos Padrões de Comunidade que determinam o que é permitido ou não na nossa plataforma, incluindo a garantia de identidades autênticas e restringindo a publicação de informações pessoais sem consentimento", informou o Facebook, em comunicado enviado à BBC Brasil.

Norma diz acreditar que a denúncia tenha partido de algum "homofóbico ou transfóbico".

Transgênero é forçado a retirar prótese peniana em aeroporto: “Foi humilhante"

"Infelizmente, ainda há muito preconceito no Brasil. Espero que meu relato não gere tamanha comoção e seja encarado apenas pelo que é: uma mensagem de amor de uma mãe para seu filho", conclui.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.