Tamanho do texto

Francis Goldin, desde os anos 1970, luta pela segurança das filhas. Conheça mais sobre a mãe que toda lésbica sempre quis ter

Francis Goldin é "uma orgulhosa mãe de  lésbicas " e faz questão de mostrar isso a todos com quem cruza. Todos os anos, Goldin vai à Parada  LGBT  em Nova Iorque, que acontece sempre no último sábado de junho. A data é em homenagem à Revolta de Stonewall, que aconteceu em 28 de junho de 1969 e é considerada o nascimento do movimento LGBT moderno.

A mãe Francis Goldin na Parada LGBT de Nova Iorque 2016
Reprodução/Facebook/TheDustyRebel
A mãe Francis Goldin na Parada LGBT de Nova Iorque 2016

Mesmo quando suas filhas não podem comparecer, Francis perpetua a tradição, que já se estende por mais de 30 anos.  A  mãe  dos sonhos conta que marca presença na Parada desde a primeira edição e, ano após ano, ostenta a mesma placa. 

▼  "Sapatão não é uma ofensa", diz ativista lésbica Rute Alonso

O manifesto de Goldin se manteve praticamente intacto com o passar do tempo. Em 1993, a placa ganhou uma nova frase. Antes, onde só se lia "eu adoro minhas filhas lésbicas", em tradução livre para o português, foi acrescentada a reivindicação: "mantenham-nas seguras". Francis acreditava que, para ser uma placa de protesto, precisava constar uma demanda. A segurança de suas filhas - e de todas as mulheres lésbicas - é a exigência pela qual escolheu lutar.

A photo posted by İTÜ CinsArı (@itucinsari) on

A postura acolhedora de Goldin em relação à sexualidade das filhas causa comoção - e também uma certa inveja. É comum que os relacionamentos familiares se desestruturem após o momento de 'saída do armário'. Muitas pessoas que cruzam com Francis pedem para que ela as adote, em tom de brincadeira, e a mamãe aceita. "Quem quiser, venha comigo que é minha filha", afirma a nonagenária.

Stonewall Inn: o bar que mudou a história do movimento gay

Francis chega a trocar cartas com pessoas LGBT que conhece nas manifestações e até mesmo alguns pais. "Todos deveriam apoiar suas filhas lésbicas e seus filhos gays", ela pontua, "estão perdendo muito na vida se não o fizerem".  Goldin já foi presa cerca de 10 vezes em manifestações e mostra que não foge à luta. Aos 92 anos, a mãe diz que continuará participando da Parada por quanto tempo puder, pelas suas e por todas as filhas lésbicas.

▼  Vizinhos tomam atitude extraordinária após casal de lésbicas ter casa atacada

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.