Tamanho do texto

Produção faz sucesso na web com declarações de seis gays, ou melhor, seis bichas!

Os relatos empoderam por si só. Simples, fortes mas necessários
Divulgação
Os relatos empoderam por si só. Simples, fortes mas necessários

Ainda há quem tente ofender homossexuais chamando-os de “bichas”. Porém, o publicitário Marlon Parente mostra porque o termo deve ser exaltado e estampado com orgulho em um documentário.

Em “Bichas, o documentário”, lançado no sábado (20), Marlon reuniu depoimentos de gays que enfrentam a homofobia e o preconceito da sociedade.

Divulgação
"(Ser bicha) É ser quem você é. É você não ter medo de falar"

Bruno Delgado, Igor Ferreira, Italo Amorim, João Pedro Simões, Orlando Dantas e Peu Carneiro são os personagens da produção. Eles alegram, emocionam e empoderam as pessoas que os assistem, independentemente da orientação sexual.

“Ser bicha hoje é liberdade. É ser quem você é. É você não ter medo de falar, de andar, de vestir o que você quer e desenhar as minhas sereias. Sou eu e meus amigos e amigas. E minha família também”, conta Bruno. No vídeo, ele conta que sua mãe assumiu o relacionamento com uma mulher após ele ter contado que é gay.

Os relatos empoderam por si só. Simples, fortes, mas necessários. Torna-se fundamental conhecer as histórias dessas bichas, da própria aceitação ao se assumir para a família. Bruno, por exemplo, conta que tentou suicídio por ser bicha e, hoje, vive muito bem. Peu lembra que foi oprimido pelo simples ato de dançar.

O documentário ainda mostra fatos e alerta para preconceitos que acontecem em casa e nas ruas. Orlando diz que só não apanhou do pai ao contar que é gay pois estava com a mãe ao lado. E Italo fala que foi vítima de homofobia por andar de mãos dadas com um homem.

“É perigoso, mas a gente tem que mostrar. Por que se a gente não mostrar e ficarem pressionando para a gente não ser bichas, eles vencem. E querida, quem vai ganhar é a BICHA, certeza!”, afirma Peu.

Além da homofobia, o vídeo destaca a importância de discutir o racismo dentro da própria comunidade LGBT. “Eu falo pra tocar na ferida mesmo. No alto da sua branquitude tem bicha preta se f******, em vários aspectos físicos e emocionais”, diz João Pedro.

O vídeo está disponível online, já conta com mais de 150 mil visualizações e conquista diariamente fãs nas redes sociais . O Deputado Federal Jean Wyllys e o cantor Davi Sabbag, da Banda Uó, também demonstraram apoio ao documentário.

Nós, que integramos a comunidade LGBT, somos diferentes uns dos outros, mas partilhamos experiências comuns que têm a...

Publicado por Jean Wyllys em  Segunda, 22 de fevereiro de 2016


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.