Tamanho do texto

As crianças nasceram com quatro dias de diferença

Elas até se revesam com a amamentação quando uma não pode
Reprodução/New York Magazine
Elas até se revesam com a amamentação quando uma não pode

Kate Elazegui, de 41 anos, e sua esposa Emily Kehe, de 38, deram à luz Eddie e Reid em dezembro, nove meses depois de seu médico, Joo Kang, dizer que as chances do casal engravidar ao mesmo tempo seriam mínimas.

Dois bebês é muito, mas temos quatro peitos e duas mães que têm a mesma licença"

“Eu não sabia que tantas mulheres tinham problemas de fertilidade”, disse Kate à “New York Magazine”. “Nós não necessariamente temos problemas de fertilidade, nós somos apenas gays. Não temos um pênis”, conta Kate, sobre as idas à clínica de fertilização.

Casadas desde 2013, elas já gastaram mais de R$ 40 mil em espermas de doadores. Kate passou seis meses tentando engravidar por inseminação até decidir pela fertilização in vitro como última opção.

Elas já gastaram mais de R$ 40 mil em espermas de doadores
Reprodução/New York Magazine
Elas já gastaram mais de R$ 40 mil em espermas de doadores

Quando o Dr. Kang sugeriu que Emily começasse a inseminação, elas ficaram com medo do que aconteceria se elas engravidassem ao mesmo tempo, mas como estavam impacientes, concordaram. “Nós não sabíamos como ela era fértil”, lembra Kate. “Emily é a garota-propaganda para a feminilidade", brinca.

Duas semanas depois, o médico revelou a Emily que ela estava grávida. Kate admitiu que se sentia “muito triste por dentro porque minha esposa conseguiu na primeira tentativa.”

No entanto, três semanas após a notícia da gravidez, Kate chamou a esposa no trabalho para contar que também esperava uma criança. "Foi tão esmagadora. Quero dizer, obviamente. Eu estava tão feliz por ela, mas eu estava tipo, ‘droga, o que vamos fazer?’”, revela Emily.

Elas decidiram criar um lar adequado para a nova família e mudaram-se o subúrbio. “Nós não podíamos viver em um apartamento de um quarto com dois bebês”, pensou Kate. 

"Houve momentos em que teria sido bom se uma de nós não estivesse grávida. Mas é camaradagem, basta ter alguém que entende exatamente o que você está passando, foi incrível", recorda Emily.

Emily foi para o hospital em 9 de dezembro e os médicos estimaram que ela daria à luz às 5h do dia seguinte. Kate, que estava em casa, também teve o rompimento da bolsa. Kate deu à luz Eddie e Emily teve Reid quatro dias depois. 

Reprodução/New York Magazine
"Houve momentos em que teria sido bom se uma de nós não estivesse grávida"

Depois do nascimento dos bebês, elas até se revezam com a amamentação quando uma não pode. "É definitivamente um desafio se relacionar com os dois. É claro que eu amo Reid, mas estou ficando muito mais tempo com Eddie porque eu estou amamentando ele”, diz Emily.

Kate ressalta sobre a responsabilidade de cuidar de dois filhos. “Claro, dois bebês é muito, mas temos quatro peitos e duas mães que têm a mesma licença", ela explicou.

“Eu nunca estive grávida de outra maneira, então eu não tenho nada como compará-la, mas eu acho que foi realmente uma ótima maneira de estar grávida", diz Emily. Mas descarta engravidar novamente: "Não vamos fazer isso de novo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.