Tamanho do texto

Robert Spitzer, que morreu aos 83 anos na sexta-feira, também foi um dos grandes responsáveis pela criação do DSM, a 'Bíblia' da psiquiatra mundial

BBC

O psiquiatra desempenhou um papel fundamental para a criação do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais
Arquivo pessoal
O psiquiatra desempenhou um papel fundamental para a criação do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais

Até 1973 a homossexualidade era considerada um "transtorno antissocial da personalidade".

Mas um psiquiatra, empenhado em classificar de forma empírica as doenças mentais, a tirou da lista.

Leia mais: 'Gay da favela não usufrui de avanços. Ainda estamos lutando pela vida', diz ativista transexual

Seu nome era Robert Spitzer, considerado o pai da classificação moderna das doenças mentais, morto na última sexta-feira aos 83 anos devido a um problema cardíaco.

O psiquiatra desempenhou um papel fundamental para a criação do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM, na sigla em inglês), tido até hoje como a "Bíblia" da psiquiatria mundial.

Desmistificando a homossexualidade

Em suas pesquisas, o médico determinou que a homossexualidade não era uma doença desde que os homossexuais se sentissem confortáveis com sua sexualidade, valendo a mesma lógica para os heterossexuais.

Leia mais: 'Tempestade perfeita'? Quatro fatos que fizeram de 2015 o ano das más notícias econômicas

Leia mais: O 'cabo-de-guerra' até a validação do casamento gay nos EUA

19ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo
Fotos Públicas
19ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo

Em 1973, Spitzer conseguiu firmar um acordo no qual ficava estipulado que, para descrever pessoas cuja orientação sexual, seja homossexual ou heterossexual, lhes causava angústia, o diagnóstico passaria a ser o de "distúrbio de orientação sexual".

"Um transtorno médico deve estar associado a uma angústia subjetiva, sofrimento ou incapacidade da função social", disse Spitzer ao jornal norte-americano The Washington Post.

'Divisor de águas'

Baseado na Universidade de Columbia, em Nova York, o pesquisador foi pioneiro em desenvolver um método empírico em torno das doenças mentais, além da teoria tradicional.

Antes da criação do DSM, um diagnóstico poderia variar entre um psiquiatra e outro.

Leia mais: Estudante chinesa processa governo por livros didáticos que classificam homossexualidade como 'transtorno'

A redação do manual, baseado em informações empíricas, é o "maior divisor de águas da profissão", disse Janet Williams, mulher e colega do psiquiatra, à agência de notícias Associated Press.

"Ele foi, de longe, o psiquiatra mais influente de sua época", indicou Allen Frances ao jornal norte-americano The New York Times. Frances foi o editor da última versão do DSM.

Para o psicanalista Jack Drescher, deixar de considerar a homossexualidade como uma doença foi o maior avanço na defesa dos direitos dos homossexuais.

"O fato de que hoje se permita o casamento gay se deve em parte a Bob Spitzer", disse Drescher, que é homossexual, ao The New York Times.

Revés

Apesar dos avanços creditados a Spitzer no campo da psiquiatria em geral e à retirada da homossexualidade do rol de doenças mentais, a carreira do psiquiatra também foi marcada por um revés.

Leia mais: 'Igreja é homofóbica, cheia de medo e ódio', diz padre gay afastado pelo Vaticano

Em países como a Índia os homossexuais ainda encontram dificuldades
Fotos Públicas
Em países como a Índia os homossexuais ainda encontram dificuldades

Em 2001, ele chegou a publicar um estudo no qual apoiava as polêmicas e criticadas terapias que pretendem "converter" homossexuais em heterossexuais, há muito tempo descreditadas por psiquiatras, psicólogos e sexólogos.

A iniciativa de Spitzer foi duramente criticada por ativistas.

Dez anos mais tarde, o psiquiatra pediu desculpas e assegurou que essa pesquisa era a única coisa de sua carreira que lamentava.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.