Tamanho do texto

Travesti deixou a prostituição e voltou a estudar graças ao programa Transcidadania . “A sensação é de se libertar de uma coisa que você é obrigada a fazer"

Os participantes passam por um curso de direitos humanos, além de capacitação profissional
Divulgação
Os participantes passam por um curso de direitos humanos, além de capacitação profissional

“Do dia de início do projeto até hoje, me tornei uma pessoa bem melhor, esclarecida sobre meus direitos e orgulhosa por ser uma travesti”, declara Aline Marques, de 37 anos, sobre o Transcidadania.

Queria desistir da vida, sobrevivi durante 20 anos na rua"

O programa, criado em janeiro deste ano, promove a reintegração social e o resgate da cidadania e atende atualmente 100 travestis e transexuais. 

Os beneficiários recebem a oportunidade de concluir o ensino fundamental e médio, ganham qualificação profissional e desenvolvem a prática da cidadania.

Aline revela que, antes de iniciar no programa, tinha depressão e já tinha pensado em se matar. "Queria desistir da vida, sobrevivi durante 20 anos na rua”, conta.

Renan: "Não é legal fazer piada com gay, negro, gordo ou travesti"; assista!

Aline Marques:
Divulgação
Aline Marques: "Orgulhosa em ser uma travesti"

Ela largou a prostituição no primeiro dia do programa. “A sensação é de se libertar de uma coisa que você tem que fazer”, diz ela, que achou nas ruas o dinheiro para sustentar uma casa e a mãe deficiente

Todos querem viver á noite como qualquer outra pessoa e não ser refém da prostituição

Cada participante do projeto tem acompanhamento psicológico, jurídico, social e pedagógico durante os dois anos de permanência no programa, além de um auxílio mensal de R$ 827,40.

Os participantes passam por um curso de direitos humanos, além de capacitação profissional. Todas as beneficiárias e os beneficiários foram inscritos no ENEM 2015 e 79% estavam aptas a realizar a prova. Destes, 27 tiveram o direito ao uso do nome social concedido. O número representa 20% do total de travestis e transexuais que fizeram a prova no estado de São Paulo este ano. Em 2016, o programa da Prefeitura de São Paulo será ampliado e promete novas vagas.

+ "Meu gênero é feminino. Sou mulher", diz travesti que trabalha para o governo

Todas as beneficiárias e os beneficiários foram inscritos no ENEM 2015 e 79% estavam aptas a realizar a prova
Divulgação
Todas as beneficiárias e os beneficiários foram inscritos no ENEM 2015 e 79% estavam aptas a realizar a prova


“A maioria das meninas e dos homens almeja completar os estudos e conquistar um emprego commuita força de vontade. Todos querem viver a noite como qualquer outra pessoa e não serem reféns da prostituição”, completa Aline.


VEJA TODAS AS MATÉRIAS DO IGAY

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.