Tamanho do texto

Manifestantes reclamam que Facebook discrimina transgêneros por impedir que utilizem nome escolhido

#MYNAMEIS quer que transgêneros sejam livres para usar nomes que escolhem e com o qual se identifiquem
Reprodução
#MYNAMEIS quer que transgêneros sejam livres para usar nomes que escolhem e com o qual se identifiquem

A Parada do Orgulho Gay de San Francisco, nos Estados Unidos, fez um protesto contra o fato de a política do Facebook exigir que as pessoas utilizem seus "nomes verdadeiros", dificultando a inscrição de transgêneros e drag queens. A informação é do site Business Insider.

Leia mais:  Casamento gay: Bolsonaro, Malafaia e Feliciano viram piada nas redes

Suprema Corte dos EUA legaliza casamento gay em todo país; veja reações

O grupo Harvey Milk (homenagem ao primeiro político declaradamente gay a ser eleito a um cargo público na Califórnia e ativista histórico dos Direitos Humanos, morto em 1978), encampou a hashtag #MyNameIs e placas com dizeres "Shame on FB" para tratar do tema.

O perfil da campanha, no próprio Facebook, pede que usuários da rede social  alterem a sua foto do perfil para mostrar sua solidariedade com todos os afetados por falsa política "nomes reais" do Facebook . 

Grupo protesta contra a política do Facebook que obriga transgêneros e drag queens a utilizar nome de registro
Reprodução/Facebook #MyNameIs
Grupo protesta contra a política do Facebook que obriga transgêneros e drag queens a utilizar nome de registro

A campanha #MyNameIs primeiro tentou, sem sucesso, bloquear que o Facebook fosse à Parada do Orgulho de San Francisco, mas a rede social foi liberada após votação no grupo Harvey Milk convencidos pessoalmente pelo fundador Mark Zuckerberg.

As drag queens e apoiadores da campanha marcharam na parada a frente do grupo, distribuindo folhetos e adesivos de protesto.

Manifestantes reclamam que a rede social ainda exija que o usuário forneça a identificação, quando solicitado. Segundo os protestantes, essa é uma política discriminatória em relação à comunidade LGBT.


    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.