Tamanho do texto

De vendedor de salgado a celebridade: Ex-participante do reality show da Record conta como as amigas Adriane Galisteu e Preta Gil mudaram sua vida

“Foi a experiência mais incrível que eu passei na vida, de muito autoconhecimento. Sabia que ia ser difícil desde o começo, mas acho que tirei de letra”. Eliminado há menos de uma semana da sexta edição do reality show “A Fazenda” (Record), o ex-peão e repórter Vinicius Gomes, mais conhecido pelo apelido Gominho , fala com empolgação sobre os três meses que passou no confinamento rural. Ele ficou em quinto lugar na disputa, vencida pela modelo Bárbara Evans .

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Há dois anos, Gominho, que hoje está com 24 anos, era totalmente desconhecido do grande público. Morador do bairro de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, ele era balconista numa cantina de escola, onde vendia salgados, como coxinhas e rissoles.

Tudo começou a mudar quando Gominho foi a um show da cantora Preta Gil no Rio de Janeiro, em 2011. Impressionado com a empolgação do então balconista na plateia, ela resolveu chamá-lo ao palco.“A Preta apontou para mim e disse: ‘vem bicha, sobe aqui’. Começamos uma relação ali, e passamos a conversar pelo Twitter”.

Ao interagir com Gominho na rede social, Preta ajudou a turbinar o seu número de seguidores. Os fãs eram 400 na época e hoje são mais de 180 mil.

“Minha vida era assim, cada salgado vendido, era uma tuítada”, relembra o ex-peão, dando uma gargalhada sonora.

Também nas redes sociais, Gominho ficou amigo de outra famosa que ajudou a sua carreira a deslanchar. A apresentadora Adriane Galisteu gostou das mensagens bem humoradas dele e o convidou a participar como repórter do extinto programa de celebridades “Muito +”, exibido pela Band entre janeiro e outubro de 2012.

“A Galisteu bancou a minha contratação, o diretor não queria que eu entrasse no programa porque eu não tinha experiência”, conta Gominho. “Durou dez meses e foi muito gratificante. Conheci muita gente e a Galisteu me inseriu no seu circulo de amigos, cheio de gente boa que me ajuda muito”, prossegue ele.

A Adriane Galisteu bancou a minha contratação, o diretor não queria que eu entrasse no programa porque eu não tinha experiência

Hoje, Preta e Galisteu fazem parte do time de amigas famosas que Gominho acumulou nos últimos dois anos. Enquanto ele esteve confinado, eles formaram uma espécie de torcida organizada dele. A cantora Ivete Sangalo , a atriz Tatá Werneck , a modelo Viviane Araújo e a apresentadora Sabrina Sato , entre outras celebridades, pediram votos para o ex-balconista nas redes sociais.

Quando foi eliminado, na última quinta-feira (26), ele recebeu uma declaração de amor de Galisteu. “Eu tenho orgulho de você Gominho, mandou muito bem. Você é feliz e nós te amamos”, escreveu a apresentadora, em seu perfil no Instagram.

Nasci assim, eu sempre fui assim

Amizades femininas fazem parte da vida de Gominho desde muito antes da fama. “Todo gay está sempre cercado de mulheres”, aponta Gominho, que também estabeleceu uma aliança forte com elas no confinamento da Record, com participantes como a apresentadora Scheila Carvalho e própria Bárbara Evans .

Yani dos Santos, Gominho e Scheila Carvalho durante o confinamento
Divulgação/Rede Record
Yani dos Santos, Gominho e Scheila Carvalho durante o confinamento

Mas essa empatia natural com as mulheres não impediu Gominho de estabelecer amizade com outros homens no confinamento, especialmente com o modelo Matheus Verdelho . “Com ele, estabeleci uma conexão imediata. Senti uma vibração boa logo que entramos. O Matheus tem minha serenidade. Ele é pé no chão, muito carinhoso. Sem falar, que ele lindo, né?”, se derrete o repórter.

“Quando quero colo, procuro as mulheres. Mas elas são muito passionais. Quando preciso de um conselho sobre uma questão mais objetiva, falo com meus amigos homens. Em Bangu, era um primo e um compadre. Na Fazenda, era o Matheuzinho e Beto ( Malfacini )”, avalia Gominho.

Para Gominho, a facilidade de fazer amizades e de transitar em diferentes tribos o ajudou a evitar o preconceito que tantos gays sofrem. “Eu nasci assim, eu sempre fui assim, na minha casa nunca foi assunto, eu ajo com naturalidade, com os amigos da escola também era normal”, revela.

“Dei muito sorte, eu queria que todo mundo tivesse essa minha sorte, essa liberdade. Tem gente que tem que lutar tanto para ser aceito, e eu simplesmente fui”, conclui Gominho, que além de querer manter a carreira como repórter de celebridades, agora faz planos para estudar gastronomia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.