Tamanho do texto

Em formato de peça, obra de Alex Francisco é passada numa cela de prisão e retrata o preconceito sofrido por um jovem casal gay

Entre os anos de 2010 e 2011, sucessivos ataques atingiram jovens homossexuais na Avenida Paulista , no centro paulistano. Gratuitas e revoltantes, as agressões serviram de ponto de partida para o jornalista e escritor paulista Alex Francisco, 25, escrever o livro “A Visita”, lançado no último fim de semana na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

Divulgação
"A Visita" tem sua trama passada na cela de uma cadeia

Em forma de peça de teatro, o texto explora a ideia de como o preconceito e a intolerância podem funcionar como combustíveis para reações violentas como as da Paulista.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK

“Os agressores modificaram as vidas de suas vítimas”, aponta Alex, ressaltando o peso que os ataques tiveram na vida dos agredidos, que foram afetados de maneira definitiva.

No entanto, o preconceito e a intolerância nem sempre se manifestam de maneira tão explícita. “É isso que Dalmo e Tales, os protagonistas de “A Visita”, sofrem o tempo todo. Eles começam a viver uma história como casal, mas estão em uma sociedade que tenta convencê-los, por pura ignorância, de que o amor gay não é possível”, analisa Alex, mencionando os personagens de sua obra.

Grande parte da peça acontece numa prisão, na qual Dalmo cumpre pena, injustamente, por um assassinato que não cometeu. É lá que o seu namorado Tales vai visitá-lo. “A cela é o momento que eles têm, longe da pressão social, para analisar como foi a vida deles até aquela situação de confinamento”, explica o autor.

Homossexual, Alex não nega os traços autobiográficos da peça, a terceira que ele escreve. “É uma declaração ao grande amor da minha vida. Não estamos juntos, atualmente, pois se trata de um amor impossível”, conta Alex. “Com o livro, eu queria dizer que ainda o amo, não importando a distância”, completa ele.

Alex admite ainda que trouxe situações de sua vida pessoal para a “A Visita”. “Quando o Tales mentiu para o pai dizendo que Dalmo era um colega do trabalho e não seu namorado. Eu fui o Dalmo nessa situação e não queria que minha futura sogra, no caso, tivesse motivos para não aceitar minha relação com o filho dela”, exemplifica.

Alex Francisco, autor de
Divulgação
Alex Francisco, autor de "A Visita"

O autor busca agora um produtor e um diretor interessados em encenar a sua peça. Ele tem até em mente os atores que gostaria de ver interpretando o casal gay criado por ele. Os escolhidos seriam J oão Gabriel Vasconcellos , do filme “Do Começo ao Fim”, e Maurício Destri , da novela “Sangue Bom”, exibida atualmente pela Rede Globo. “Vejo o Vasconcellos na pele do Dalmo, e o Destri, na do Tales”.

Aos 25 anos, Alex cita dois autores que influenciam o seu trabalho. “Em Machado de Assis busco a submissão, a resistência e a visão de sociedade. Já em Eça de Queiroz , as fatalidades e o quanto elas arrebatam o homem a lugares inabitados”, assinala.

O trabalho do romancista britânico Alan Hollinghurst também o influencia, especialmente o romance “A Linha da Beleza”. Retrato da juventude yuppie dos anos 80, o livro tem um personagem que Alex gostaria de ter escrito, o jovem Nick Guest.

“É um personagem que parece estar à margem do seu antagonista, mas que calmamente espera pelo momento de virar a mesa”, conclui.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.