Tamanho do texto

O garoto Wren Kauffman fala a TV canadense sobre a angústia que sentia antes de iniciar o processo de adequação de gênero. "É como se você estivesse preso no corpo de outra pessoa”

Desde cedo, Wren Kauffman sabia que era diferente. Sempre gostou de usar o cabelo curtinho e de vestir fantasias de super-heróis. Aos 3 anos, chegou a perguntar aos pais quando é que ele viraria um menino. "É como se você estivesse preso dentro do corpo de outra pessoa, em que você não quer estar", afirmou o menino em entrevista ao programa 680 News, da emissora canadense CTV News.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Hoje com 11 anos, Wren se prepara para ir pela primeira vez à escola como um menino. Graças ao apoio da família, ele, que nasceu Wrenna, está passando pelo processo de adequação de gênero e chega na volta às aulas já com visual que acompanha a sua identidade sexual.

Professores e colegas de escola estão conscientes da transformação do menino que, ao retornar às aulas no colégio Edmonton, no Canadá, vai utilizar banheiros e vestiários masculinos.

Os pais só decidiram lidar com a situação quando Avy, a irmã de Wren, afirmou aos seis anos de idade: "Você sabe, mamãe, Wren é um menino e ele me pediu para te contar”, relembra a mãe das crianças, Wendy Kauffman.

Três anos depois, quando os filhos completaram nove anos, Wren desabafou: “Eu sei que sou diferente, eu me sinto diferente a cada dia. Não posso ser uma menina e ser feliz". A mãe conta que ao pensar na situação do filho, se sente triste por não ter ouvido seus apelos mais cedo.

A resposta da mãe foi sincera: “Eu te amo independente de você ser um menino ou uma menina, entendo agora o seu pedido e nós vamos descobrir como podemos ajudá-lo. Nós vamos fazer isso juntos", relembra ela.

Em busca de ajuda, a família contatou Kris Wells , da canadense University of Alberta's Institute for Sexual Minority Studies and Services (Instituto de Estudos das Minorias Sexuais da Universidade de Alberta), que os acolheu e auxiliou no processo de entendimento da situação do filho.

Dr. Wells conta que a universidade recebe pelo menos um e-mail diário com solicitação de ajuda e que, no caso de Wren, estão sendo ministradas injeções para atrasar a puberdade até que ele complete 16 anos para que possa decidir se quer passar por um tratamento hormonal masculino ou, em último caso, realizar a cirurgia de adequação de gênero quando completar 18 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.