Tamanho do texto

Astro pensou em protagonizar romance homossexual do super-herói com um personagem vivido pelo ator Michael B. Jordan. Veja na galeria quadrinhos famosos que ganharam versões gays

Intérprete atual do famoso super-herói Homem-aranha, o ator Andrew Garfield tem em mente uma grande virada para o personagem. Para o astro, o mascarado poderia trocar a mocinha Mary Jane por um rapaz, tendo um romance gay.  

Garfield chegou a fazer a sugestão a  Marc Webb,  diretor da novo filme da franquia, "O Espetacular Homem-Aranha 2", que estreia no primeiro semestre de 2014.

“Em tom de brincadeira, mas com um fundo de seriedade, questionei se não podiamos trocar MJ por um homem… Porque não podemos descobrir que Peter está explorando sua sexualidade? Porque ele não pode ser gay? E se ele gostasse de garotos? Poderiamos fazer algo assim”, questionou Andrew, numa entrevista a à revista Entertainment Weekly.

O astro pensou também no ator que viveria o par romântico gay do Homem-aranha. “Estou obcecado pelo Michael B. Jordan desde The Wire  (série policial da HBO). Ele é tão carismático e talentoso. Não consigo ver alguém melhor, e ainda teríamos uma bissexualidade multicultural” contou.

Andrew Garfield: 'Porque não podemos descobrir que Peter está explorando sua sexualidade? Porque ele não pode ser gay?'
Getty Images
Andrew Garfield: 'Porque não podemos descobrir que Peter está explorando sua sexualidade? Porque ele não pode ser gay?'

A ideia de Garfield se encaixa bem em um momento que vários HQs se abriram para a diversidade sexual. Em abril deste ano, por exemplo, o personagem mutante Wolverine protagonizou um beijo gay com o semi-deus Hércules, em uma edição dos quadrinhos “X-Treme X-Men”.

Curta o iGay no Facebook

Já no universo de Batman, a super-heroína Batwoman retornou às páginas dos quadrinhos em uma versão lésbica. A personagem que encarna ela, Barbara Gordon, divide seu apartamento com a transexual Alysia Yeoh.

Aliás,  a personagem Alysia levou o autor Gail Simone do HQ a falar sobre a questão de gênero no mundo dos super-heróis, numa entrevista à revista Wired, logo após a sua participação na convenção de cultura pop Comic-Con, em 2012. 

"Eu olhei para a plateia, vi dezenas de rostos que eu conhecia bem - pessoas LGBT, principalmente - todos ávidos leitores de quadrinhos e fãs de super-heróis... Por que não podemos fazer um trabalho melhor de representação da humanidade e da nossa própria audiência leal?", questionou Simone, na ocasião. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.