Tamanho do texto

Em entrevista ao programa de Ana Maria Braga, o intérprete do vilão homossexual Félix falou sobre a dificuldade de alguém que não consegue assumir a própria sexualidade

Intérprete do vilão gay Felix na novela “Amor à Vida” (TV Globo), Matheus Solano  participou nesta quinta-feira (13) do programa "Mais Você”, apresentado por Ana Maria Braga. No matinal, o ator falou sobre a importância dos homossexuais não esconderem sua sexualidade e de como a permanência no armário tornou seu personagem amargo e cruel. 

CURTA A PÁGINA DO IGAY NO FACEBOOK

"Primeira coisa que eu digo é 'se assumam'. Sei que é muito fácil falar, vivemos uma sociedade que é muito difícil. Com tanta coisa acontecendo na politica, mas a visibilidade que a novela das 9h traz é muito importante e ajuda”, declarou o ator, que acredita que a TV pode ajuda na aceitação da própria sexualidade e também das outras pessoas. 

“Sejam quem vocês são. Eu tenho amigos que tiveram um ou dois filhos, mas se assumiram. São pessoas absolutamente felizes. Mas nem todo mundo consegue, porque, às vezes, o entorno faz com que você não consiga ser quem você é”, prosseguiu o ator, grande destaque de "Amor à Vida" até agora. 

O ator falou ainda sobre a experiência de interpretar um grande vilão, o que considera um detonador de liberação de adrenalina. “O fato dele ser vilão é muito gostoso, é muito bom fazer e assistir também. Tem uma coisa de catarse. Ele fala aquelas coisas que às vezes está na garganta do telespectador”, afirmou.

Reprodução/Rede Globo
"Se assumam" foi o conselho do ator para os gays e lésbicas

“O Félix tem a coisa afeminada e maldosa juntas. É muito sofrido você ter que maquiar a sua condição sexual, este é um dos grandes combustíveis da maldade, que fez ele se tornar um cara amargurado, invejoso. E esta necessidade do amor do pai, uma série de coisas que foram entortando este cara e transformando ele nesse vilão”, analisou.

Ao falar do autor da trama, Walcyr Carrasco ,  o ator não poupou elogios: “Ele foi muito corajoso ao mostrar que ser gay é uma condição e não opção, o Felix fala que nasceu assim, é importante discutir isso, é importante discutir que dois homens e duas mulheres podem estar juntos”, explica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.