Tamanho do texto

De orientação presbiteriana, Igreja da Escócia passou quatro anos debatendo a aceitação de homossexuais em sua equipe de ministros

Após quatro anos de debates intensos, a Igreja da Escócia, a maior congregação evangélica do país, decidiu permitir que gays se tornem seus sacerdotes.

undefined
undefined
undefined


Manisfestantes contrários a permissão de gays no comando de paróquias
Getty Images
Manisfestantes contrários a permissão de gays no comando de paróquias

Segundo informações do jornal The Guardian, a permissão foi aprovada nesta segunda-feira (20) numa assembleia geral dos dirigentes da Igreja Escócia, em Edimburgo. Com a decisão, cada unidade regional terá o poder de aceitar ou não sacerdotes gays.

CURTA PÁGINA DO IGAY FACEBOOK 

Manifestantes contrários a possibilidade de gays serem ministros fizeram protestos no prédio que recebeu a assembleia geral, em Edimburgo. 

“De uma forma ou de outra, esta foi uma votação maciça pela paz e para unir a igreja”, observou John Chalmers, dirigente da Igreja da Escócia. Os debates sobre aceitação de sacerdotes homossexuais começaram em 2009, quando um ministro abertamente gay foi escolhido para liderar a paróquia na cidade de Aberdeen.

Na assembleia desta segunda, os dirigentes da igreja também votaram uma moção que pretendia restringir o sacerdócio apenas para gays que fossem celibatários ou os que tivessem uma relação oficializada por uma parceria civil. A proposta foi rejeitada por 340 votos a 282.

A nominação de sacerdotes gays não deve ser imediata. A decisão ainda precisar passar por processos burocráticos que podem adiar sua implementação para 2015.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.