Tamanho do texto

Em vídeo, Organização das Nações Unidas combate a homofobia e lembra que a homossexualidade é punida com pena de morte em sete países

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou um vídeo para denunciar a opressão vivida pela população LGBT em dezenas de países pelo mundo. Segundo a instituição internacional, 76 países ainda criminalizam as relações homossexuais. Em sete dessas nações, a homossexualidade é tratada como crime passível de pena de morte.

CURTA A PÁGINA DO IGAY NO FACEBOOK 

Chamado de “O Enigma”, o vídeo mostra pessoas de diversas nacionalidades fazendo perguntas relacionadas à homossexualidade e a homofobia. “O que existe em todos os cantos do mundo, é acolhido e celebrado em alguns países, mas é ilegal em76 países?”, é o primeiro questionamento apresentado na gravação.

O vídeo segue fazendo perguntas contundentes. “Que característica simples faz pessoas serem tratadas como cidadãos de segunda classe em todos os lugares em que vão?”. “O que faz crianças serem expulsas de casa, estudantes intimidados e expulsos das escolas e trabalhadores serem demitidos sem aviso prévio?”. “O que existiu em todos os países ao longo da história, mas que ainda é considerado anormal por algumas pessoas?”.

A resposta para todas as perguntas é dita pela pelas mesmas pessoas, desta forma: “Ser gay, ser lésbica, ser bissexual, ser transgênero”.

Alta comissária para os Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay lembra no vídeo as obrigações de todos os países do mundo.

“Toda nação é obrigada pelas leis internacionais de direitos humanos a proteger todas as pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros de tortura, descriminação e violência”, ressalta Navi.

Ban Ki-moon, secretário geral da ONU, termina o vídeo, ao lado dos outros participantes do projeto, com uma frase inspiradora. “As Nações Unidas têm uma mensagem simples para os milhões de pessoas LGBT em todo mundo: ‘você não está sozinho’”.

A mensagem da ONU contra a homofobia ressalta ainda que os direitos LGBT são direitos humanos e que é possível construir um mundo livre e igual.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.