Tamanho do texto

Participantes 4ª Marcha Nacional Contra a Homofobia pediram que os crimes contra os homossexuais sejam apurados e punidos com mais rigor

Integrantes do movimento LGBT tomaram a Praça dos Três Poderes na manhã desta quarta-feira (15) na 4ª Marcha Nacional Contra a Homofobia. Empunhando bandeiras e cartazes de protesto, os manifestantes passaram pelas sedes dos poderes executivo (Palácio do Planalto), judiciário (Supremo Tribunal Federal) e legislativo (Congresso Nacional).

CURTA A PÁGINA DO IGAY NO FACEBOOK 

Deitadas sobre uma enorme bandeira do arco-íris, com camisetas brancas manchadas de tinta vermelha, simulando sangue, ativistas protestaram contra os crimes de ódio aos homossexuais, pedindo que eles sejam apurados e punidos com mais rigor. Um dos cartazes, levado por um integrante do Fórum Baiano LGBT, lembrava que 29 gays, lésbicas e travestis foram assassinados na Bahia, em 2012.

Outro protestantes pediam que transexuais e travestis tenham o direito de mudar seus nomes nos documentos oficiais, como RG e CPF.

Inimigos declarados do movimento gay, os deputados Marco Feliciano (PSC-SP) e Jair Bolsonaro (PP-RJ) foram alvo de protestos. O primeiro foi representado por um boneco gigante, que carregava uma placa com a inscrição “Fora, Feliciano!”.

Jair Bolsonaro virou alvo dos ativistas na Marcha Contra a Homofobia
Agência Brasil/Antônio Cruz
Jair Bolsonaro virou alvo dos ativistas na Marcha Contra a Homofobia

Representado com um boneco que vestia uma camiseta com o símbolo nazista e tinha um porrete em uma das mãos, Bolsonaro virou alvos de jatos de água numa pistola de brinquedo.

Integrantes do Movimento Sem Terra (MST) também participaram da Marcha Nacional Contra a Homofobia, organizada pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT).

Nesta semana, Brasília tem sediado eventos relacionados ao movimento LGBT. Na terça-feira (14), foram realizados no Congresso Nacional o “Seminário sobre Políticas Públicas e Enfrentamento da Homofobia” e o “ X Seminário Nacional LGBT”.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.